Manifestações em Brasília têm 39 presos

As manifestações em Brasília resultaram em 39 detenções, de acordo com informações da Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal. Os protestos começaram pacificamente ainda durante o desfile militar na Esplanada dos Ministérios em frente ao Congresso Nacional, mas ganharam tom de confronto por volta da 11 horas e se espalharam por toda a zona central da cidade.

DÉBORA ÁLVARES, EDUARDO BRESCIANI, EDUARDO RODRIGUES E RICARDO DELLA COLETTA, Agência Estado

07 de setembro de 2013 | 18h17

Por volta das 13 horas, houve uma tentativa de invasão à sede da Rede Globo, onde manifestantes quebraram janelas de três carros de funcionários. Eles também lançaram pedras nos vidros de portas de acesso e na fachada de um restaurante vegetariano em um edifício comercial. Segundo seguranças do edifício, o quebra-quebra só parou quando a polícia apareceu para dispersar os manifestantes.

Um grupo de aproximadamente 150 pessoas atravessou então a pista. Os que participavam do protesto atiraram pedras contra uma concessionária de veículos e depredaram um carro estacionado no pátio do estabelecimento. Um shopping próximo precisou proibir a entrada e saída de pessoas durante a confusão e permaneceu protegido por mais de meia hora pelos policiais.

No começo da tarde, os manifestantes tentaram seguir em direção ao Estádio Mané Garrincha, onde as seleções de Brasil e Austrália disputaram uma partida amistosa, mas as cerca de 400 pessoas que compunham o grupo foram dispersadas com bombas de gás lacrimogêneo e de efeito moral. Para afastar quem protestava nas imediações da Torre de TV, a tropa de choque também utilizou balas de borracha.

A manifestação então recuou em direção à Rodoviária do Plano Piloto, na parte central, onde houve novos confrontos em frente a mais um shopping da capital. A PM atirou bombas mais uma vez em direção à concentração de pessoas, enquanto vários carros ainda tentavam trafegar pelo local.

Acuada, parte dos manifestantes voltou para dentro da rodoviária para se proteger e alguns comerciantes fecharam as portas de suas lojas. Minutos depois da ação, um policial foi agredido por um manifestante enquanto conduzia para o camburão outro jovem que havia sido detido. No fim da tarde, um grupo de pessoas tentou voltar ao Congresso, mas foi dispersado por jatos d''água e mais bombas lançadas pelos policiais.

Mais conteúdo sobre:
7 de setembroprotestosBrasília

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.