Manifestação de estudantes em Brasília termina em confusão

Terminou em confusão a manifestação contra as reformas trabalhista, sindical e universitária nesta quinta-feira na Esplanada dos Ministérios, organizada por sindicatos e partidos de esquerda. Inicialmente tranqüila, a marcha pegou fogo quando cerca de 300 estudantes decidiram invadir o Congresso Nacional e foram contidos pela Polícia Militar. Os jovens entraram no espelho d´água em frente ao Congresso e, gritando palavras de ordem, jogavam água nos policiais que faziam a segurança. Garrafas e latas cheias de águaforam atiradas contra os PMs e contra o prédio do Congresso, rachando um dos vidros.Dois jovens foram presos.A confusão só terminou em torno das 14 horas, quando chegou o batalhão de choque da Polícia Militar, chamado para dar apoio. O choque não precisou entrar em ação. Apenas a presença dos policiais garantiu que os estudantes decidissem acompanhar o restante dos manifestantes, que se dirigiram ao Ministério da Educação.Originalmente prevista para ser uma mobilização contra as reformas, a manifestação abrigou de tudo um pouco. Havia faixas contra a reforma da previdência - já concluída e aprovada -, contra a privatização das universidades, que não está prevista na reforma universitária e até contra a abertura do mercado de petróleo paraempresas estrangeiras. Esse também foi o primeiro ato nacional em que o P-Sol, criado por Luciana Genro, Babá e Heloísa Helena, participa já como partido, apesar de ainda não ter obtido assinaturas suficientes para ter registrada sua criação. Durante o trajeto da marcha, integrantes do novo partido aproveitavam para obter mais assinaturas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.