Manifestação a favor de intervenção militar divide protesto em Porto Alegre

A manifestação de um grupo favorável à intervenção militar dividiu o protesto que ocorre na tarde deste domingo em Porto Alegre. Cerca de 50 pessoas munidas de faixas e um carro de som formaram um bloco isolado do resto dos participantes para defender a volta das forças armadas ao poder.

GABRIELA LARA, CORRESPONDENTE, Estadão Conteúdo

12 Abril 2015 | 15h33

Eles ficaram mais à frente dos demais manifestantes, que protestam contra o governo federal e pedem a saída da presidente Dilma Rousseff (PT), com a manutenção da democracia. O grupo maior é encabeçado pelo Movimento Brasil Livre (MBL) e pelo Vem pra Rua, os mesmos que lideraram o protesto de 15 de março. Conforme os organizadores, 5 mil pessoas estão reunidas no Parque Moinhos de Vento. A Brigada Militar ainda não divulgou uma estimativa oficial.

Os pró-militares receberam escolta da polícia, para evitar enfrentamentos com os demais manifestantes, que gritaram "fora golpistas".

De acordo com Joel Machado, um dos líderes do grupo pró-miltar, a intervenção é necessária para "colocar ordem" no Brasil, já que os três poderes - Executivo, Legislativo e Judiciário - , segundo ele, não têm mais seriedade e equilíbrio.

Os dois grupos de manifestantes farão caminhadas pelas ruas de Porto Alegre com trajetos diferentes. Enquanto os pró-militares já começaram o deslocamento, os que defendem o impeachment continuam concentrados no Parque Moinhos de Vento esperando o número de pessoas aumentar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.