Mandante da morte de Chico Mendes volta para a cadeia

O fazendeiro Darly Alves da Silva, de 71 anos, foi preso nesta quinta-feira em Xapuri a pedido da Justiça Federal do Pará. Condenado a 19 anos de prisão por ter mandado matar o líder ambientalista Chico Mendes, agora Darly é acusado de ter usado documento falso para comprar uma propriedade em projeto de assentamento no interior do Pará e obter financiamento do Banco da Amazônia.A propriedade, de 300 hectares, foi comprada quando Darly estava foragido da Penitenciária de Rio Branco. Ele foi condenado em dezembro de 1990 e fugiu da prisão, dois anos depois, sendo recapturado em agosto de 1996 nas terras compradas ilegalmente no município de Medicilândia, no Pará. Em 1999 Darly obteve liberdade condicional e retornou para a Fazenda Paraná, entre os municípios de Xapuri e Epitaciolândia, em área contígua à Reserva Extrativista Chico Mendes, pivô do assassinato do líder seringueiro.O delegado Clayton Videira, responsável pela prisão de Darly, reforçou seu esquema de segurança. Segundo ele, por estar em liberdade condicional, a segurança do prisioneiro é um dever do Estado e, além disso, ele tem "projeção internacional."Assassinato Além dos 19 anos de prisão pela morte de Chico Mendes, Darly foi condenado a pena semelhante pelo assassinato do corretor de imóveis Acir Urizzi, ocorrida em 1973 em Umuarama, no Paraná. Logo depois do crime ele fugiu e só veio a ser descoberto no Acre em 1988. Foi Chico Mendes quem o denunciou quando já estava ameaçado de morte e realizava empates para impedir que Darly desmatasse o Seringal Cachoeira, onde cresceu. Mendes foi até Umuarama buscar uma cópia do mandado de prisão contra Darly e o entregou primeiro à Polícia Federal e, depois, à Polícia Civil. Mas, em vez de prendê-lo, preferiram avisá-lo. Em 22 de dezembro de 1988, Darci Alves Pereira, filho de Darly, assassinou Chico Mendes com um tiro de escopeta. Também em liberdade condicional, Darci foi visto recentemente em Xapuri filmando a Casa de Chico Mendes, hoje uma espécie de museu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.