Mandados de prisão atingem familiares e funcionários de Dantas

Dono do banco Opportunity foi preso pela PF acusado de lavagem de dinheiro e formação de quadrilha

Fabiana Cimieri, da Agência Estado,

08 de julho de 2008 | 10h44

A operação Satiagraha da Polícia Federal (PF) cumpre nesta terça-feira, 8, mandados de prisão contra a irmã do banqueiro Daniel Dantas, Verônica; seu ex-cunhado e diretor do Opportunity, Carlos Rodenberg; o diretor Arthur Carvalho; o presidente do grupo Opportunity Dório Fermani; a diretora jurídica Daniele Silbergleid Ninio; a advogada Maria Amália Coutrim; e o funcionário Rodrigo Bhering.   Veja também:  Os 40 do mensalão As ações da Polícia Federal no governo Lula Defesa diz que Dantas foi preso por vingança PF prende Daniel Dantas, Naji Nahas e Celso Pitta   Dantas, que é sócio fundador do grupo Opportunity, foi preso na manhã desta terça pela operação que está sendo deflagrada por mais de 300 agentes da PF, no Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília e Salvador. Nesse momento, o banqueiro continua em sua cobertura na avenida Vieira Souto em Ipanema depois de ter sido preso pela PF, que chegou às 5h30 em sua casa. Os advogados do escritório de Nélio Machado chegaram logo em seguida, e também permanecem no apartamento.   Os funcionários do banco presos nesta terça estão numa sala da PF, no Rio, para onde será levado também o sócio-fundador do banco Daniel Dantas. Todos serão trazidos para São Paulo ainda nesta terça.   A advogada Maria Amália Coutrim, uma das principais executivas do grupo, foi detida em sua casa, às 6 horas, por uma equipe da PF. "Não sei o que está acontecendo. Só posso acreditar que seja uma medida arbitrária. Estamos aqui sem acesso a nenhuma informação", disse a advogada, por telefone, à Agência Estado.    Entre outros crimes, eles são acusados de formação de quadrilha; gestão fraudulenta; evasão de divisas; lavagem de dinheiro e sonegação fiscal. Dantas também irá responder por espionagem e tentativa de corrupção de um delegado cujos primeiros nomes são Vitor Hugo. Foram quatro anos de investigação que culminaram também na prisão do financista Naji Nahas e do ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta. A mulher de Dantas, Maria Alice de Carvalho Dantas, também foi detida.   O Opportunity entrou no escândalo do "Caso Mensalão" por denúncias de atuação no financiamento a um esquema de corrupção no Congresso, por meio das operadoras de telefonia Telemig e Brasil Telecom, à época geridas pelo banco.   Texto ampliado às 13h15

Tudo o que sabemos sobre:
operação SatiagrahaPFDaniel Dantas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.