Maluf relativiza sua queda em pesquisa

O candidato do PP à Prefeitura de São Paulo, Paulo Maluf, procurou hoje relativizar o resultado da última pesquisa Datafolha, na qual teve uma queda de 19% para 16% das intenções de voto do eleitorado paulistano. "A pesquisa é uma fotografia de momento?, disse Maluf em evento de campanha que reuniu pouco mais de 50 pessoas no bairro do Aricanduva, zona leste da capital. Ele afirmou ainda que em campanhas eleitorais passadas diversos candidatos que estavam em desvantagem semelhante há apenas um mês da votação conseguiram chegar ao segundo turno e acabaram vencendo. Maluf chegou a dizer que "nas carreatas eu tenho 25 pontos", referindo-se ao fato de pelo menos uma em cada quatro pessoas nas ruas acenarem positivamente ao candidato. E ironizou quando perguntado se poderia adotar um tom mais "ácido" em relação aos de mais candidatos na sua campanha, como estratégia para reverter o quadro desfavorável nas pesquisas. "Eu continuo tão doce que tenho medo de ter açúcar demais no meu sangue." Perguntado sobre a oscilação negativa no índice de rejeição ao seu nome, de 49% para 51%, Maluf disse não concordar com a metodologia utilizada na pesquisa. "Eu não discuto com o Datafolha, mas eu sou também um engenheiro e sou um matemático. Por que a rejeição é múltipla e não única?", questionou Maluf. "Quando você soma as rejeições dos candidatos, dá mais de 180%. A rejeição múltipla não tem valor. O candidato do PP confirmou sua presença no debate da TV Record na próxima segunda-feira à noite, mas classificou o formato do debate como restritivo. "Primeiro, porque tem nove candidatos. Segundo, porque quem é perguntado não pode ser perguntado de novo", explicou. Maluf visitou algumas casas atingidas pelas constantes enchentes no Aricanduva e prometeu que terá como prioridade, caso eleito, acabar com as enchentes no local e no Pirajussara até 2006. Ele lançou suspeitas de que as obras feitas pela administração petista para combater as enchentes na capital foram feitas sem um processo licitatório adequado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.