Maluf quer ajudar no programa de governo de Haddad

O secretário-geral do PP, Jesse Ribeiro, afirmou durante evento que homologou a candidatura do petista Fernando Haddad à Prefeitura de São Paulo, que o deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) quer participar da formulação do plano de governo do petista. De acordo com o dirigente pepista, o partido vai começar a avaliar a proposta do plano de governo no próximo mês.

DAIENE CARDOSO E BEATRIZ BULLA, Agência Estado

30 Junho 2012 | 17h27

"Vamos sugerir (propostas) porque, afinal de contas, o Maluf foi prefeito duas vezes", justificou. Ele destacou que Maluf estará à disposição da coordenação da campanha de Haddad. "Ele (Maluf) quer que o Haddad seja um prefeito melhor que ele", ressaltou Ribeiro. O dirigente do PP minimizou as resistências internas no PT em relação à coligação com o seu partido e o de Paulo Maluf. "Em todas as situações temos gente que diverge, mas todos querem ganhar a eleição", argumentou.

Ribeiro chegou a ser vaiado em seu discurso ao falar em nome de Maluf, durante a convenção petista que homologou o nome de Fernando Haddad como candidato à Prefeitura de São Paulo. Segundo o representante do PP, um dos articuladores das alianças entre PT e PP, Maluf não foi ao evento porque participa todos os anos da abertura do festival de inverno de Campos do Jordão. "Se tem um nome que não pode ser intitulado como medroso, é ele (Maluf). Ele enfrentou o AI-5", respondeu Ribeiro ao ser questionado se Maluf havia faltado ao evento por medo de enfrentar a militância do PT.

A convenção do PT foi realizada no salão nobre da Câmara dos Vereadores e estava lotada de militantes com bandeiras e adesivos da campanha. Embora os militantes tenham puxado vaias no início do discurso de Jesse, o dirigente do PP conseguiu arrancar aplausos da plateia ao final de sua declaração, ao dizer que só Haddad tem condições de resolver os problemas da cidade.

Para o candidato petista, o debate em torno da polêmica aliança com Maluf já foi superado. "Nosso partido não reprime nenhuma manifestação, pelo contrário, nós aceitamos vozes de todos o tipos de nossa comunidade, mas nós precisamos de um governo de coalizão nesta cidade, e o que busquei foi reproduzir a aliança nacional", disse Haddad.

Embora tenha defendido em seu discurso que é preciso "vencer as forças conservadoras" que imperam na cidade, Haddad disse que mesmo aliado a elas (em referência a Paulo Maluf), é possível fazer um governo progressista, assim como o governo do PT tem feito no aspecto nacional. "Nós combatemos o conservadorismo no governo federal", afirmou.

Mais conteúdo sobre:
eleiçõesHaddadMaluf

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.