Maluf nega irregularidades em declaração de bens

O ex-prefeito Paulo Maluf (PPB) disse que não há nenhuma discrepância em relação a declaração de seus bens, que foram entregues à Receita federal e ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE), em 2000. "Não fiz nenhuma aquisição e também não vendi nenhum imóvel", disse Maluf, que iniciou hoje, em Mogi Mirim, uma série de visitas aos municípios do interior paulista. "As casas são as mesmas, os terrenos também", acrescentou o ex-prefeito.O Estado publicou na edição de hoje que, para a Justiça Eleitoral o ex-prefeito declarou que seu patrimônio pessoal estava avaliado em R$ 74,96 milhões, enquanto à Receita Federal, ele havia informado que os seus bens chegavam a R$ 34,25 milhões, uma diferença de R$ 40,71 milhões. "Não sei como informações que deveriam ser mantidas em sigilo pela Receita Federal foram divulgadas", disse Maluf.O ex-prefeito fez críticas ao jornal. "Pela segunda semana consecutiva, o Estadão publicou matérias mentirosas", prosseguiu Maluf. "Na semana passada abriu manchetes dizendo que eu havia ligado para as ilhas Jersey, quero que o jornal prove o dia, a hora e quantos minutos durou a ligação", afirmou Maluf, que estava irritado. Momentos antes ele havia batido boca com a presidente da Câmara de Mogi Mirim, a vereadora Maria Helena Scudeler Barros (PSDB), por causa dos pedágios cobrados nas rodovias paulistas. "Se for eleito governador, vou suspender a concessão", disse.O ex-prefeito afirmou ainda que desafia alguém provar alguma irregularidade contra ele. Maluf acrescentou que "não pendurou as chuteiras" e que decidirá se disputará o governo de São Paulo ou a presidência da República só em abril de 2002. "Fui a pessoa mais atacada, mais agredida e mais investigada, e até hoje não encontraram nada, em mais de 500 processos", afirmou Maluf, que iniciou a sua visita na região pelo município de Itapira."As denúncias estão acontecendo porque estou em primeiro lugar nas pesquisas de intenção de votos, e como os meus adversários são incapazes de me derrubar, acabaram inventando estas mentiras", comentou Maluf, que agiu como se fosse candidato pelas cinco cidades da região. Entre as promessas, ele disse que irá asfaltar todas as rodovias vicinais de São Paulo, para melhorar o transporte da produção agrícola; colocará os bandidos nas cadeias e em seis meses resolverá os problemas da Febem.O ex-prefeito criticou o governador de São Paulo pela falta de uma política mais eficiente em relação à segurança e defendeu a presença da Rota nas ruas, também nas pequenas cidades, onde a violência vem crescendo. "O governador Alckmin é um fraco e frouxo quando o assunto é segurança", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.