Maluf faz campanha no extremo Sul de SP

De tão afastada do Centro, a região onde o candidato Paulo Maluf (PP) fez campanha hoje, chega a ser tipicamente rural. O candidato visitou o Recanto Campo Belo, bairro de Parelheiros, extremo Sul de São Paulo. A região foiescolhida por ser bastante carente: os moradores alegam não ter acesso a serviços públicos, como hospitais e creches. O caminhão de som onde Maluf discursou para cerca de 200 pessoas também era precário. Feito com tábuas improvisadas, a estrutura rangia quando o candidato se empolgava, acenando para o povo. Maluf prometeu criar o hospital das clínicas de Parelheiros. "A zona sul cresceu brutalmente graças a Deus e à minha administração, que fez a duplicação da Avenida Teotônio Vilela. Depois que eu saí ninguém mais fez nada. E aqui moram 700 mil pessoas sem hospital", disse. Maluf explicou que o hospital seria montado dentro da rede municipal. "Será construído pela prefeitura e gerenciado com recursos do SUS e da administração municipal", revelou. O candidato também afirmou que não guarda rancor do cardeal arcebispo metropolitano de São Paulo, Dom Cláudio Hummes, que repudiou na sexta-feira o uso no horário eleitoral de sua imagem ao lado do candidato à Prefeitura pelo PP. "Não foi traição. Ele é um homem de bem. Eu queria apenas mostrar o ecumenismo de São Paulo. Tenho orgulho de ser o único candidato que já foi coroinha", argumentou, afirmando que as imagens não serão mais exibidas.Sobre o pacotão de propostas de obras que pretende lançar nessa semana, o candidato fez suspense. "Já temos 29 projetos, entre pontes, avenidas e viadutos, mas eles ainda estão sendo avaliados. Por isso eu prefiro dar algo completo, com mapa, custos, tudo certinho, mais para frente, provavelmente na quinta-feira", explicou.Maluf voltou a garantir que em sua gestão, o bilhete único terá validade de três horas. "Aqui em Parelheiros, por exemplo, as coisas são tão distantes que duas horas é pouco demais". Depois do evento, o candidato seguiu em carreata pelas ruas da região.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.