Maluf diz que não conhece fundação no exterior

O ex-prefeito Paulo Maluf negou hoje que conheça a Fundação White Gold, aberta em 1990, em Vaduz, no principado europeu de Liechenstein. Em entrevista concedida na manhã desta quinta-feira à reportagem da Rádio CBN, ele garantiu que não tem nenhuma participação na fundação e acusou o promotor Silvio Marques de alardear a questão. Na opinião do ex-prefeito, o Ministério Público está a serviço eleitoral. Na edição de ontem do ´Jornal Nacional´, da TV Globo, foram exibidos novos documentos sobre movimentações financeiras de Maluf no Exterior. Os documentos teriam sido enviados pelo governo suíço ao Ministério da Justiça do Brasil. Com base neles, a Polícia Federal e o Ministério Público de São Paulo estão investigando enriquecimento ilícito e evasão de divisas. Indagado sobre isso, Paulo Maluf falou que "essa é uma mentira que o promotor Silvio Marques está alardeando". O ex-prefeito falou que o processo está sob segredo de Justiça e não pode ser comentado, mas lembrou que a TV Globo tem tido acesso a diversos documentos que ele, como parte interessada, não vem tendo. Perguntado se deixou um documento assinado autorizando a metade dos bens para a esposa e a outra parte para os filhos, o ex-prefeito se limitou a comentar: "Não vamos discutir sim ou não. Eu tenho ou não tenho o direito de ver o documento na minha mão para ver se ele é meu?". Em seguida, acrescentou com um simples ´não´ que nunca assinou qualquer documento com os teores contidos na reportagem do ´Jornal Nacional´. Maluf reiterou que não está tendo acesso aos documentos e manifestou estranheza a esse fato. "Estou num País sem direito de defesa democrático. Estão substituindo o estado de direito pelo estado de terrorismo iraquiano", bradou. O documento a que o ex-prefeito se referiu saiu dos arquivos do UBS em Zurique, na Suíça, por ordem judicial. Foi o banco onde a fundação movimentou dinheiro, como demonstra o extrato. Em uma única semana, uma das contas de investimento da White Gold recebeu quatro depósitos que somam US$ 200 milhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.