Maluf diz que foi recebido com sorrisos no Planalto

O ex-prefeito de São Paulo e deputado eleito Paulo Maluf disse nesta quarta-feira que foi recebido com sorrisos no Palácio do Planalto, no encontro que participou entre o presidente Luiz Inácio Lula da Silva com a bancada do PP. Fonte da área política havia informado que o Palácio do Planalto solicitou que Maluf não integrasse o grupo do PP. Perguntado se percebeu constrangimento por parte das autoridades do Palácio por conta de sua presença no encontro, ele respondeu: "Não. A alegria do Luiz Dulci, do Gilberto Carvalho, do Tarso Genro e do presidente, o sorriso deles. Isso indica que eles querem acertar. Não tem nada de pessoal. Eles querem ver o Brasil crescer".Maluf foi denunciado pelo MP na última segunda, por formação de quadrilha com o objetivo de lavar dinheiro oriundo de corrupção. Até esta tarde, a assessoria de imprensa do presidente negava que ele receberia Maluf. O ex-prefeito contou que durante o encontro ele disse a Lula: "Presidente, o senhor quebrou o pé direito e eu o esquerdo. Como temos mais de 60 anos, estamos nos aproximando". Maluf foi ao encontro do bengala, mancando do pé esquerdo, por causa de uma lesão que, segundo ele, que sofreu em Campos de Jordão.Ao ser questionado sobre como se sentia em estar no Palácio do Planalto depois de ter sido preso pela Polícia Federal, Maluf respondeu que o Supremo Tribunal Federal considerou a prisão ilegal. "O que fizeram comigo foi uma violência, como fizeram com o Lula no tempo da repressão, com o JK, com Getúlio Vargas, Washington Luiz, o Jânio Quadros e o Ademar de Barros", afirmou, referindo-se a políticos que também sofreram ação da polícia. "Mas até o Ademar de Barros", questionou um repórter. Maluf, então, fez uma defesa veemente de Ademar de Barros, o ex-governador de São Paulo acusado de desvio de verbas públicos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.