Maluf anuncia que é candidato a governador

O ex-prefeito de São Paulo, Paulo Maluf, começou hoje sua caminhada para voltar ao Palácio dos Bandeirantes em 2006. Ele participou do 47º Congresso Estadual de Municípios e descartou a possibilidade de disputar a prefeitura da Capital no ano que vem. "Vou percorrer o Estado a partir do segundo semestre para refazer o partido, verificar onde não há bons candidatos a prefeito para fazer uma base política para minha candidatura ao governo do Estado", disse Maluf, que citou dois "nomes fortes do PP" para disputar prefeitura paulistana: Celso Russomano e Curiatti Jr.Maluf discursou no Congresso para 600 prefeitos e vereadores e arrancou risadas ao comentar o apoio do FMI à política econômica brasileira: "Tenho medo quando abro os jornais e vejo o apoio do FMI ao Brasil", disse ele, lembrando que o ex-presidente romeno Nicolau Ceseascu pagava pontualmente os juros do FMI. O ex-governador fez uma pausa e acrescentou. "Foi fuzilado". Citou outros presidentes elogiados pelo organismo financeiro internacional, como o ex-presidente mexicano Salinas, "que está refugiado na Irlanda com ordem de prisão" e Boris Yeltsen: ?Elogiaram a política dele e a Rússia quebrou". E concluiu com os problemas da Argentina: "O país quebrou e Menen foi para a cadeia".O ex-governador combateu a política de juros altos, "que é altamente inibidora dos investimentos e da geração de empregos". Elogiou o programa Fome Zero, mas defendeu o "Desemprego Zero". Na opinião de Maluf, o governo age certo ao dar cestas básicas, mas acha que programa de criação de empregos tem que ser desenvolvido para proporcionar que a família possa comprar seus alimentos. "Não tem sentido dar cesta básica durante 50 anos para uma família", concluiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.