Maluf acusa Marta de improbidade administrativa

O candidato do PP à prefeitura paulistana, ex-prefeito Paulo Maluf, fez sua mais contundente crítica à administração da prefeita Marta Suplicy (PT) desde o início da campanha. Mesmo sem citar o nome da petista, ele acusou-a de improbidade administrativa por enviar à Suíça servidores públicos para tratar das supostas contas mantidas por Maluf naquele país.Ele reagiu irritado à informação de que a prefeitura vai recorrer da decisão da Justiça de Genebra, que decidiu arquivar o processo conduzido contra o ex-prefeito, por ele ter usado os bancos suíços para a lavagem de dinheiro."Você não acha que é um caso de improbidade administrativa? Você, com dinheiro, mandar funcionários públicos para o exterior para tentar perseguir um candidato que tem suas contas aprovadas pelo próprio Tribunal de Contas do Município, usar dinheiro público para perseguir outro candidato?", indagou Maluf à reportagem da Agência Estado, quando perguntado sobre o recurso da prefeitura.Em seguida, insistiu na tese: "Tem um sujeito no estrangeiro, funcionário da prefeitura, vivendo com que dinheiro? Quem comprou a passagem. Para que ele foi? Se minhas contas estão aprovadas, teria sido melhor ela (Marta) usar o dinheiro para acabar com a taxa de lixo e da luz." Antes da declaração, Maluf negou que tivesse um pacto de convivência com o PT, mas, novamente, centrou suas críticas no candidato do PSDB, José Serra. "Meu acordo é somente com o povo de São Paulo. Se alguma coisa de errado for constatada, sou corajoso o suficiente para denunciar. Mas só tem um acordo: vencer a eleição e ser o melhor prefeito. Não vou atacar a Marta, o Serra, a Erundina, mas não posso deixar de constatar que os tucanos e o Serra, quando no governo federal, ministro do Planejamento, é que impuseram esses juros pornográficos que atormentam todos os empresários de hoje e que venderam todo o nosso patrimônio para o estrangeiro. Hoje, aumenta a conta da luz, da eletricidade, o pedágio. Tudo em benefício das multinacionais. É um crime contra o País", afirmou.Maluf participou de uma caminhada no Brás. Segundo ele, o arquivamento do processo contra ele na Suíça é "a constatação" do que tem dito com freqüência: "Nunca tive conta na Suíça. Não estou sendo nem processado, nem denunciado no Brasil. É uma mera acusação falsa que existiu por pouco tempo por causa da eleição."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.