Malária atinge aldeia Avá-Guarani no Paraná

A Fundação Nacional de Saúde (Funasa) já detectou malária em 37 índios da tribo Avá-Guarani na aldeia Ocoí, em São Miguel do Iguaçu, a 600 quilômetros de Curitiba, no oeste do Paraná. O número vem chamando a atenção porque historicamente a região apresenta sete ou oito casos por ano. Em razão disso, a Funasa instalou um laboratório na Secretaria Municipal de Saúde para diagnosticar rapidamente os casos e garantir urgência no tratamento. Além dos índios, há outros seis registros na região oeste. De acordo com a Funasa, na segunda-feira mais uma equipe de técnicos chegará ao município para ajudar no trabalho de diagnóstico e prevenção. O primeiro caso de malária foi registrado no dia 18 de fevereiro. As autoridades acreditam que a doença foi importada do Paraguai ou da Argentina, em razão de os indígenas costumarem circular pelas aldeias dos países vizinhos. Os servidores da Funasa e da Vigilância Sanitária têm feito o trabalho de borrifamento de inseticida, pois a região próxima à aldeia apresenta condições ideais para a proliferação do mosquito Anopheles, transmissor da malária. A reserva Ocoí foi criada em 1981, às margens do Lago Itaipu. Ali vivem atualmente cerca de 600 índios.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.