'Mal-estar' no País dá novas chances à oposição, diz FHC

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) disse ontem, em entrevista ao jornal chileno La Tercera, que a atual situação econômica do Brasil "dá novas e melhores oportunidades para a oposição", referindo-se às eleições de outubro. Ele mencionou como "oportunidades" o aumento da inflação, a piora das contas externas e das contas públicas e perda de confiança dos agentes econômicos no governo. "O povo sente um mal-estar palpável em sua vida cotidiana."

O Estado de S.Paulo

22 de julho de 2014 | 02h02

De acordo com FHC, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) beneficiou-se das linhas macroeconômicas criadas na gestão tucana e do alto preço das commodities, alavancadas pela demanda chinesa. Depois da crise de 2008, prosseguiu ele, a economia já não podia mais crescer de forma sustentável puxada pelo consumo. "Dilma tentou estimular a inversão afrouxando a política fiscal, forçando a queda da taxa de juros e concedendo incentivos seletivos a alguns setores", mas a "colheita" dessa nova política 'foi paupérrima".

FHC disse ainda ao jornal chileno que há um "mal-estar difuso" na sociedade brasileira e que é um erro crer que isso se deva apenas aos meios de comunicação ou à "elite branca".

Ele vê uma "insatisfação ampla e crescente" devido à inflação, ao baixo crescimento e à baixa qualidade de educação e saúde. Nos grandes centros urbanos, prosseguiu, "as taxas de criminalidade são elevadas e o transporte público é caro". Assim, ele acredita que, na campanha eleitoral, o candidato tucano Aécio Neves terá tempo suficiente para ser competitivo e levar as eleições ao segundo turno.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.