Mais uma vez, Renan diz que não ´arreda o pé da presidência´

Apesar das pressões, presidente do Senado volta a a afirmar que não deixa cargo

Agencia Estado

04 de julho de 2007 | 17h24

O presidente do Senado, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), afirmou nesta terça-feira, 3, que "jamais" considerou a possibilidade de se afastar do cargo. "Eu não arredarei o pé da presidência", declarou, repetindo frase de duas semanas atrás. "Vou responder absolutamente a tudo o que houver. Como não há nada, será uma coisa fácil", disse o senador a jornalistas que o abordaram quando saía de seu gabinete pessoal, de onde havia acompanhado, por informes de aliados, o andamento da reunião em que a Mesa Diretora do Senado decidiu reenviar o processo contra ele de volta ao Conselho de Ética. Renan Calheiros negou que o Senado viva uma crise por conta das denúncias enfrentadas por ele de ter tido despesas pessoais pagas com dinheiro de um empregado da empreiteira Mendes Junior. "Não há crise na instituição. O Senado tem deliberado até mais do que a média, e vamos continuar deliberando", garantiu. Nesta terça-feira, a Mesa Diretora da Casa decidiu devolver o processo contra Renan ao Conselho de Ética. "A Mesa decidiu pelo voto dos seus membros aquilo que já tínhamos decidido desde o dia 31, mandar para o Conselho de Ética. Só que eu mandei de maneira monocrática e a Mesa mandou agora de maneira democrática. A Mesa apenas referendou aquilo que eu havia feito no dia 31", disse Renan. Na última segunda-feira, o senador Leomar Quintanilha (PMDB-TO), presidente do Conselho de Ética do Senado, havia devolvido o processo à Mesa Diretora da Casa, o que foi visto como manobra para tentar arquivar o caso, que, na prática, voltaria à estaca zero. A decisão daria a Renan a chance de retardar qualquer decisão ou renunciar ao mandato sem perder seus direitos políticos e, assim, sair impune. O senador considerou a devolução do processo ao conselho como favorável. "Não tenho acompanhado a tramitação, mas é bom que isso aconteça, porque é uma oportunidade para que a gente comprove tudo", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.