Mais um dia de transtornos para segurados do INSS no RS

Centenas de pessoas que procuraram o INSS no Rio Grande do Sul voltaram para casa sem atendimento nesta quinta-feira. Na agência do bairro Partenon, em Porto Alegre, onde houve tumulto e pedradas na quarta-feira, cerca de 50 pessoas protestaram com gritos depois de serem informadas de que os quatro funcionários ativos, dos 19 que trabalham no local, só receberiam as 40 pessoas que já haviam retirado ficha no dia anterior.Uma assembléia da categoria decidiu, à tarde, que não vai escalar funcionários para garantir o atendimento de pelo menos 30% dos casos proposto pelo Ministério Público na terça-feira. Com isso não fica garantida a continuidade dos serviços nas duas agências da capital que haviam reaberto suas portas na quarta-feira. A adesão à greve é maior em Porto Alegre e na região metropolitana, onde a maioria das agências fechou. No interior, quase todos os postos de atendimento estão abertos. A superintendência do INSS no Estado calcula que 21% dos 2,4 mil funcionários tenham parado de trabalhar e que os 24 dias de paralisação deixaram cerca de 50 mil pessoas sem atendimento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.