Mais um blogueiro é assassinado no Maranhão

A Polícia Militar ainda não sabe o motivo do assassinato de Roberto Lano, mas trabalha com a hipótese de execução por conta do seu trabalho

Diego Emir, Especial para O Estado

22 Novembro 2015 | 17h47

SÃO LUÍS - Mais um assassinato choca a imprensa maranhense. Na noite do último sábado (21), o blogueiro Orislandio Timóteo Araújo - mais conhecido como Roberto Lano - foi assassinado na cidade de Buriticupu (a 395 km da capital), por um motoqueiro que efetuou um disparo na sua cabeça. Esta é a segunda morte em pouco mais de 15 dias no Maranhão, envolvendo blogueiros que noticiam fatos relacionados à política local.

A Polícia Militar ainda não sabe o motivo do assassinato de Roberto Lano, mas trabalha com a hipótese de execução por conta do seu trabalho de blogueiro. A última postagem no blog do maranhense relatava uma denúncia contra José Gomes (PMDB), prefeito de Buriticupu. Roberto também era conhecido por trabalhar em campanhas políticas e promover eventos na região tocantina do estado.

No último dia 13 de novembro, o também blogueiro Ítalo Diniz foi assassinado por dois motoqueiros, após ser atingido por quatro disparos de armas de fogo na cidade Governador Nunes Freire (181km distante da capital). Ele já havia registrado boletins de ocorrência revelando sofrer ameaças de morte. Ítalo tinha postagens de cunho político e estaria desagradando políticos ou outras pessoas da região (oeste maranhense), aponta a linha de investigação da Polícia.

Até o momento a Superintendência de Homicídios e Proteção à Pessoa (SHPP), vinculada a Secretaria Estadual de Segurança, ainda não apresentou nenhum suspeito pela morte de Ítalo Diniz e Roberto Lano.

As duas mortes sucedem o caso mais famoso do Maranhão nos últimos anos. Em abril de 2012, o jornalista e blogueiro Décio Sá foi assassinado com cinco tiros em um bar na Avenida Litorânea (região turística de São Luís). O repórter da editoria de política do jornal O Estado do Maranhão vinha denunciando em seu blog, matérias de cunho investigativo sobre crimes envolvendo agiotagem e pistolagem no estado.

Na época foi descoberto um complexo envolvimento de empresários e militares no crime. Na última quarta-feira (18), o assassino confesso - Jhonathan de Sousa Silva - do jornalista foi condenado a 27 anos e 5 meses de prisão. Os supostos mandantes do assassinato ainda estão aguardando julgamento e cumprem prisão preventiva.

Os novos casos de assassinatos expõe uma estatística que assusta os profissionais da comunicação do Maranhão. Três casos registrados em 3 anos, sendo que os dois últimos em um intervalo de 18 dias.

O vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Maranhão, deputado Wellington do Curso (PPS), já tinha cobrado da Secretaria Estadual de Segurança maior empenho nas investigações da morte de Ítalo Diniz. O parlamentar atribuiu ao crime de pistolagem a morte do blogueiro: "Em menos de três anos, temos outro jovem jornalista - blogueiro - tendo sua vida ceifada e retirada do nosso convívio devido à pistolagem que ainda insiste em imperar no Maranhão". 

Mais conteúdo sobre:
Maranhão assassinato jornalista

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.