Zeca Ribeiro/Ag. Câmara
Zeca Ribeiro/Ag. Câmara

Mais dois empreiteiros ficam calados na CPI da Petrobrás

Até agora, apenas dois dos 14 executivos convocados a falar sobre o esquema de desvios na estatal aceitaram falar com os deputados

Daiene Cardoso , O Estado de S. Paulo

02 de junho de 2015 | 10h46

BRASÍLIA - Mais dois empreiteiros ficaram em silêncio na manhã desta terça-feira, 2, diante dos membros da CPI da Petrobrás: o ex-vice-presidente da Mendes Júnior Sérgio Cunha Mendes, e o empresário Dario de Queiroz Galvão Filho, da empreiteira Galvão Engenharia. Dos 14 empreiteiros chamados para depor na comissão nas últimas semanas, só dois até agora prestaram esclarecimentos aos parlamentares. Dario e Mendes, que seriam ouvidos na condição de investigado, foram dispensados. 

Dario Galvão chegou à CPI munido de um habeas corpus deferido pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki. A medida é uma extensão do benefício dado ao ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, em seu depoimento à comissão em abril. O empresário avisou em sua apresentação que ficaria calado. "Com todo o respeito, gostaria de pedir desculpas, e dizer que por orientação da minha defesa vou permanecer em silêncio", declarou Dario. 

Sérgio Mendes não tinha um habeas corpus, mas também usou o direito constitucional de não se pronunciar. "Como existe um processo em que sou réu, infelizmente por orientação dos meus advogados vou exercer o direito de ficar calado em função dessa situação presente. Vocês me desculpem, mas é uma condição de defesa", disse Mendes. 

Dario Galvão é acionista do Grupo Galvão e membro do Conselho de Administração do Grupo Galvão, proprietário e controlador indireto da Galvão Engenharia. A força-tarefa da Operação Lava Jato atribui a ele "posição de maior responsabilidade em relação aos crimes de lavagem de dinheiro e pagamento de propinas a dirigentes da Petrobrás". Para os investigadores, Dario era o "efetivo mandante" do pagamento de propina no esquema de corrupção. 

À Justiça Federal do Paraná, Mendes afirmou em seu interrogatório que a empresa pagou R$ 8 milhões ao doleiro Alberto Youssef. O empreiteiro contou que os pagamentos parcelados foram feitos em contratos frios firmados com as empresas de fachada GFD Investimentos e Empreiteira Rigidez, controladas pelo doleiro. No depoimento, o empreiteiro classificou o pagamento como uma extorsão. 

Dos empreiteiros convocados, só Dalton Avancini e Eduardo Hermelino Leite, ambos da Camargo Corrêa, prestaram depoimento. 

Tudo o que sabemos sobre:
CPI da PetrobrásOperação Lava Jato

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.