Mais de 11% dos brasileiros são malnutridos, diz ONU

Entre 11% e 19% da população brasileira sofre de má-nutrição. Os dados são do relator da ONU para o Direito à Alimentação, Jean Ziegler, que chega no próximo sábado ao Brasil para investigar a situação do País em relação ao acesso aos alimentos e à água potável. "Essa proporção da população passa por uma situação alimentar crônica, o que pode ser comparável às regiões pobres do continente africano", afirma Ziegler, em entrevista exclusiva à Agência Estado.O relator da ONU decidiu investigar o Brasil depois de receber denúncias de organizações não-governamentais (ONGs) do País, que afirmam que em muitas regiões, como no Norte e Nordeste, parte significativa da população está malnutrida. Segundo estimativas da ONU, uma pessoa necessita cerca de 2,7 mil calorias ao dia para ter uma vida saudável."Do que vale um indivíduo que tem o direito de votar, mas não tem o direito de se alimentar?", questiona Ziegler. Ele lembra que o direito à alimentação deve ser respeitado por todos os governos, da mesma forma que os direitos civis são protegidos. Ziegler ainda ressalta que, na África do Sul, um cidadão pode ir a um tribunal contra o governo, se sua alimentação não estiver garantida. Durante o fim de semana Jean Ziegler estará no Rio de Janeiro, e chegará a Brasília na próxima segunda-feira para audiências com o secretário de Direitos Humanos, Paulo Sérgio Pinheiro, e com o presidente Fernando Henrique Cardoso.Até o dia 21 de março, o relator da ONU percorrerá o Brasil, investigando acusações de violações dos direitos à alimentação, especialmente no Maranhão e no restante do Nordeste. O resultado da investigação será apresentado à comunidade internacional em setembro, durante a Assembléia Geral da ONU em Nova York.Segundo Ziegler, 100 mil pessoas morrem por dia, no mundo, de fome. "Trata-se de um genocídio silencioso", afirma o relator, que acusa os "aiatolás" de Washington de implementar políticas que contribuem para a miséria no mundo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.