Mais de 1,3 milhão mortos em acidentes de trabalho em 2001

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) divulgou nesta quarta-feira o balanço de mortes relacionadas a acidentes de trabalho registradas em 2001. Foram mais de 1,3 milhão de vítimas em todo mundo. O número representa o dobro das mortes em conflitos armados no mesmo período ? 650 mil mortos.O contato com substâncias perigosas como produtos químicos e radioativos afetou, naquele ano, 340 mil trabalhadores. Na construção civil, um dos setores campeões em acidentes, o contato com o amianto foi responsável pela morte de 100 pessoas. De acordo com a OIT, a falta de segurança no trabalho mata mais do que as drogas e o álcool juntos. Além da construção civil, os setores da agricultura e da mineração são os que apresentam maior falta de segurança.BrasilSegundo pesquisa da Previdência Social, no Brasil foram registrados 388 mil acidentes de trabalho em 2002. Estima-se que o País perde de 2,3% a 4% do seu PIB com mortes e acidentes de trabalho. O Ministério da Previdência Social, por exemplo, destinou, no ano passado, R$ 8,2 bilhões para o pagamento de benefícios acidentários e aposentadorias especiais, contra R$ 7,2 bilhões em 2002. Entre os acidentes mais comuns, estão os que prejudicam punhos e mãos. Eles responderam por 34,2% do total registrado. São ferimentos, fraturas, traumatismos superficiais, luxação, queimaduras, traumatismo de músculos e outros casos provocados, em sua maioria, pelo mau uso das máquinas e, também, pela obsolescência dos equipamentos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.