Maioria quer impeachment do governador do ES

De cada 10 moradores da Grande Vitória, 6 querem o impeachment do governador do Espírito Santo, José Ignácio Ferreira (sem partido). Esse é o resultado de uma pesquisa de opinião realizada pelo Instituto de Pesquisa Futura, de Vitória, para tentar saber como a população está reagindo às denúncias de corrupção que levaram à abertura da CPI da Propina e de um processo de impedimento que tramita na Assembléia Legislativa. O levantamento, que ouviu 400 pessoas nos dias 10 e 11 deste mês, mostra ainda que o porcentual da população que desaprova (qualifica como "ruim/péssimo") o governo subiu de 23%, em setembro do ano passado (antes das denúncias começarem a ser investigadas), para 57%. O total dos que acham o governo "bom/ótimo" caiu de 25,2% para apenas 9,5%.A pesquisa indica ainda que a grande maioria dos moradores da Grande Vitória tem conhecimento das investigações (91%) sobre o esquema de corrupção e cobrança de propinas que envolve o governador, sua mulher, seu cunhado (os dois foram secretários do Estado) e outros integrantes do primeiro escalão do governo.Esta semana, a CPI da Propina, aberta em abril para apurar as denúncias, sugeriu o indiciamento de 25 pessoas, entre elas a primeira-dama Maria Helena Ruy Ferreira e seu irmão Gentil Ruy, que teve a prisão preventiva decretada duas vezes porque, em dois inquéritos do Ministério Público, é apontado como o organizador de um esquema de desvio de dinheiro público. O estudo indica que uma parcela razoável da população acredita no envolvimento de José Ignácio (21,5%), de Maria Helena (21,5%) e de Gentil Ruy (27,6%)."Esse resultado mostra claramente que o governador está perdendo a aderência da opinião pública. Uma mudança grande e que está afetando o capixaba, já que no início do governo o governador tinha uma imagem considerada boa e responsável", explica o cientista político e diretor do instituto, João Gualberto Vasconcellos. O resultado disso é que muitos entrevistados (38%) se disseram decepcionados com o atual governo. Eles também estão desconfiados (22,7%) e revoltados (15,5%). Mas a crise política deve ser resolvida pelos próprios capixabas, segundo a grande maioria dos entrevistados (76,5%). "Acho que o sentimento é de vergonha, de ver o seu Estado no noticiário apenas com notícias ruins. E a conclusão é acreditar que o problema é nosso e que deve ser resolvido aqui", afirma Vasconcellos.Outro ladoA assessoria de imprensa do governador rebate a pesquisa e diz que ela não é confiável porque o Instituto de Pesquisa Futura é ligado ao jornal capixaba "A Gazeta" e ao senador Paulo Hartung (PPS), considerado o maior inimigo do governador. Mas, segundo o porta-voz do governador, mesmo que os dados estejam corretos, o resultado não é tão negativo. "Para quem foi bombardeado durante cinco meses na imprensa, esse porcentual (60% pró-impeachment) é aceitável", diz José Nunes Dias.A assessoria ressaltou o resultado de outro levantamento, realizado pelo Instituto Flex Consult a pedido de outro jornal capixaba "A Tribuna" (tradicionalmente ligado ao governo de Ferreira). Nesta pesquisa, não foi perguntado aos entrevistados se eles concordam ou não com o impeachment. Há apenas a questão "o que você gostaria que acontecesse com o atual governo?", e uma das respostas é o afastamento do governador, que obteve 17%.Segundo esta outra pesquisa, o porcentual da população que considera o governo "péssimo" é 21% e o que acha "ruim" é 14%. E apenas, para 1,2% dos entrevistados, a administração é "ótima".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.