Maioria não acompanha discussão com radicais do PT, diz pesquisa

As divergências entre o governo e o grupo de radicais do PT - parlamentares contrários à proposta de reforma da previdência enviada ao Congresso Nacional - não desperta grande interesse da população. A pesquisa da CNT-Sensus divulgada hoje mostra que apenas 33% dos 2 mil entrevistados em 24 Estados das 5 regiões do País estão acompanhando o assunto. Outros 56,1% responderam que não acompanham o assunto. Entre os que estão acompanhando o caso, 38,1% acham que os parlamentares devem ser punidos pelo partido e 59,1% acham que não. Em outra pergunta sobre fidelidade partidária, 45,9% dos entrevistados disseram que o parlamentar pode votar diferente da posição do seu partido e 33,6% acham que ele deve votar de acordo com o partido. "A posição da população em relação à liberdade de pensar e votar independentemente da filiação a partidos demonstra a fragilidade partidária", comentou o presidente da CNT, Clésio Andrade. Para ele, a pesquisa revela que há um desinteresse da população pelos partidos e que é preciso uma ampla reforma político partidária.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.