Maioria dos brasileiros reprova programas sociais, diz Sensus

O acesso aos programas sociais do governo foi criticado pelos beneficiários destas medidas, segundo revela pesquisa elaborada pelo instituto Sensus para a Confederação Nacional do Transporte (CNT). A maior parte dos entrevistados (54,6%) que afirmaram ser beneficiários ou conhecer pessoas próximas que sejam atendidas por este programas classificaram como difícil ou muito difícil o acesso a programas como o bolsa escola, fome zero, primeiro emprego, bolsa família, vale gás ou banco do povo.Outro aspecto importante apurado na pesquisa revela que a população não está muito interessada neste tipo de assistência. Apenas 6,8% dos dois mil entrevistados disseram que o governo deveria investir em programas de assistência social. O investimento em projetos que gerem empregos foi indicado por 53,9% dos entrevistados como o mais importante a ser feito pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva no momento.O investimento em educação e capacitação profissional aparece em segundo lugar, com o apoio de 18,9% das pessoas ouvidas pelo Sensus. "A população não quer assistencialismo, quer oportunidade de trabalho, emprego", comentou o presidente da CNT e vice-governador de Minas Gerais, Clésio Andrade.ViolênciaLeis mais rigorosas com punições mais severas para os agressores são as soluções indicadas pela maioria da população brasileira para solucionar o problema da violência contra a mulher no País. Ao menos esse é o resultado indicado pela pesquisa. De acordo com os resultados do levantamento, as soluções citadas foram indicadas por 55,1% dos dois mil entrevistados. Outros 24,8% defendem a adoção de programas educacionais como solução do problema. Cerca de 44% das pessoas ouvidas pelo Sensus entre os dias 7 e 9 de maio afirmaram conhecer alguma mulher da família ou amiga que tenha sofrido alguma violência do marido, namorado ou pai nos últimos dois anos. Para a maior parte dos ouvidos (58,9%), o espancamento ou outro tipo de violência contra a mulher é normalmente praticado por conhecidos das vítimas, dentro de casa. Apenas 20,1% disseram acreditar que atos deste tipo são praticados fora de casa, por desconhecidos.Negros em universidadesA maioria da população brasileira apoia a idéia de criação de contas para negros nas universidades públicas do País bem como a obrigatoriedade do serviço militar. É o que revela a pesquisa elaborada pelo instituto Sensus para a CNT. De acordo com o levantamento, 61,1% dos dois mil entrevistados afirmaram ser favoráveis à reserva de vagas para negros nas universidades públicas. O contigente de pessoas contrárias à medida foi de 29,4%.Serviço militarNo outro dado apurado pelo instituto de pesquisa, 62,6% disseram apoiar o serviço militar obrigatório no País. Entretanto, boa parte da população defendeu a necessidade deste serviço ser voltado não apenas para a formação militar do jovem. Para 55,7% das pessoas ouvidas, o serviço militar obrigatório poderia ajudar na formação dos jovens, através de algum tipo de processo de capacitação do jovem em alguma profissão. Outros 19,2% disseram que essa ajuda poderia ser dada por meio de incentivo à prestação de serviços comunitários. A pesquisa CNT/Sensus foi realizada em 165 municípios do País.Planos de saúdeOs planos de saúde privados ainda estão distantes da realidade de boa parte da população brasileira. De acordo com a pesquisa, 75,7% da população nunca teve um plano de saúde privado. Apenas 13,9% afirmaram possuir enquanto outros 9,7% disseram que já tiveram mas não possuem mais. Para esse contingente de pessoas, que têm ou já tiveram planos privados de saúde, a avaliação dos mesmos é positiva. Para 54,7% dos dois mil entrevistados os planos são bons. Apenas 2,2% disseram que esses planos são péssimos.Essa avaliação também se reflete nos motivos que fizeram com que as pessoas deixassem de manter seus planos de saúde privado. Para 44,6% dos entrevistados os planos tiveram que ser cancelados por serem caros. Apenas 13% alegaram baixa qualidade dos serviços prestados para justificar sua desistência.Desemprego é principal problema do País, mostra pesquisa- Avaliação do governo se mantém estável, mostra CNT-Sensus

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.