Maioria de denúncias para novo serviço é de violência sexual intrafamiliar

Lesão corporal e violência sexual intrafamiliar foram os relatos mais freqüentes recebidos no primeiro dia de funcionamento do Disque-Denúncia contra abuso sexual e exploração de crianças e adolescentes reativado pelos ministérios da Saúde, do Turismo e pela Secretaria de Direitos Humanos.Todos os casos são encaminhados para investigação. Com a iniciativa, o governo pretende combater a violência e o turismo sexual infanto-juvenil.?Além de ser uma ferramenta importante para encontrar exploradores de menores, o serviço incentiva a sociedade a se conscientizar sobre a relevância do problema?, avalia o secretário de Direitos Humanos, Nilmário Miranda. Ele afirma que, em alguns grupos da sociedade, a exploração sexual muitas vezes é considerada algo natural.O Disque-Denúncia havia sido criado e era coordenado pela organização não-governamental Associação Brasileira Multiprofissional de Proteção à Infância e Adolescência (Abrapia). ?Era preciso que o governo executasse tal tarefa. Com isso, podemos ganhar agilidade para o encaminhamento dos casos e a punição dos responsáveis pelas violências?, disse. O governo tem como meta erradicar a exploração sexual no País.O serviço, com capacidade para atender até 500 ligações diárias, funciona de segunda a sexta-feira, entre 8h e 18h. O número é 0800.99.0500 e a ligação é gratuita.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.