Maior parte das obras do PAC tem andamento adequado, diz governo

O governo contratou, até o final demaio, o equivalente a 27,8 por cento dos recursos destinados aoPrograma de Aceleração do Crescimento (PAC) para o ano e aavaliação é que 87 por cento das obras estão com andamentoconsiderado "adequado". Os dados são do balanço do programa divulgado nestaquarta-feira pelos ministros Dilma Rousseff (Casa Civil), GuidoMantega (Fazenda) e Paulo Bernardo (Planejamento). As contratações somaram 4,39 bilhões de reais até 31 demaio, de um total de 15,77 bilhões de reais previstos noorçamento para obras do PAC --programa de obras nas áreas deinfra-estrutura, saneamento e urbanização lançado em janeiro de2007 pelo governo federal. Os pagamentos --feitos depois das finalizações das obras--totalizaram 3,14 bilhões de reais, dos quais 2,98 bilhões dereais dizem respeito a contratos fechados no ano passado, oschamados restos a pagar, e apenas 160 milhões de reaiscorrespondem a contratos novos. Segundo o governo, 87 por cento das ações do PAC sobmonitoramento estão com andamento "adequado", outros 6 porcento estão em "nível de atenção" e 2 por cento sãoconsideradas "preocupantes". Entre as obras preocupantes, estão a ampliação erevitalização do sistema de pistas e pátios do aeroporto deGuarulhos (SP) e a construção de um novo terminal no aeroportode Vitória. Em ambos os casos, segundo a ministra Dilma, os cronogramasdas obras estão atrasados à espera de manifestações do Tribunalde Contas da União. A ministra afirmou que o PAC está "colocando a agenda dodesenvolvimento na ordem do dia" e também colaborando paraacabar com a "discussão falsa" entre vantagens do investimentopúblico e privado. "O setor público tem que organizar a demanda e buscar ummaior grau de conteúdo local", afirmou Dilma em entrevista àimprensa. No acumulado de 2007 e 2008, os pagamentos do PAC somaram10,5 bilhões de reais e as contratações (empenhos), 20,4bilhões de reais. "Nesses 16 meses do PAC já é possível perceber a ampliaçãodos investimentos públicos e privados na área deinfra-estrutura e sua repercussão no nível de atividadeeconômica do país", afirmou o comitê gestor em documento dobalanço. (Reportagem de Isabel Versiani)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.