Renato Costa | Framephoto
Renato Costa | Framephoto

‘Maia tem muita influência nos deputados, mas não nos partidos’, diz Paulinho da Força

Presidente do Solidariedade negou que tenha fechado aliança ao presidente da Câmara na disputa pelo Planalto e disse que mantém conversa com Alckmin

Marianna Holanda, O Estado de S. Paulo

18 Janeiro 2018 | 18h25

O presidente do Solidariedade, deputado Paulinho da Força (SP), disse, nesta quinta-feira, 18, que o presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ) tem “muita influência nos deputados, mas não nos partidos”. Segundo o sindicalista, o partido não fechou apoio a uma possível candidatura de Maia à Presidência e mantém conversas com outro pré-candidato, governador Geraldo Alckmin.

++ Vice de Alckmin busca apoio no PSDB

++ Na disputa pelo governo de SP, França prioriza partidos menores

Questionado como vê a candidatura do presidente da Casa, Paulinho disse que “Maia tem muita influência nos deputados, mas não nos partidos”. A declaração foi dada a jornalistas na sede do partido, onde ocorreu o evento de declaração de apoio ao vice-governador Márcio França (PSB) na disputa pelo Palácio dos Bandeirantes.

“Não decidimos ainda (sobre apoio na eleição presidencial). Estamos conversando. Os dois (Alckmin e Maia) são meus parceiros, amigos”, disse. “Agora, se viabiliza quem juntar o maior número de partidos no centro”. Na sexta-feira, 19, Paulinho terá uma reunião com Alckmin para tratar de ocupações do Movimentos dos Sem Terra (MST) no interior do Estado.

No cenário desenhado, Paulinho descartou a presença do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, pré-candidato do PSD. “Ele tá fora do jogo, não teria condições de aglutinar ninguém, nem o partido dele”, disse. Gilberto Kassab, ministro das Comunicações e presidente do PSD, tem sinalizado que o partido poderia apoiar Alckmin na disputa presidencial.

++ Maia admite candidatura caso melhore nas pesquisas de intenção de votos

O apoio do MDB, Paulinho também dispensou. “Acho que o MDB é interessante, tem 62 deputados, maior tempo de TV. Só que tem que carregar tanto a mala do Geddel (Vieira Lima), quanto a do (Rodrigo) Rocha Loures. Num primeiro momento, não teria nenhum momento pro candidato que for ganhar a eleição, mas num segundo momento ele teria que explicar todas aquelas malas”, afirmou o sindicalista.

O ex-deputado Rocha Loures (MDB-PR) e o ex-ministro Geddel foram presos em operações da Lava Jato. O primeiro foi filmado correndo com um mala de dinheiro que, segundo a Polícia Federal, seria para comprar o silêncio do deputado cassado Eduardo Cunha (MDB-RJ), também preso, mas que nega as acusações. Já Geddel foi preso após a Polícia Federal relacioná-lo a um apartamento repleto de caixas e malas de dinheiro.

Durante seu discurso na sede do partido, o presidente do SD aproveitou para criticar a reforma da Previdência e o presidente Michel Temer - a quem apoiou, após o impeachment da presidente Dilma Rousseff. O deputado disse que concorda que reformas deveriam ser feitas, “mas não pelo Temer”. “Temer nem eleito foi, a Dilma foi”, provocou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.