Maia sinaliza discutir novo valor do mínimo se ficar na presidência Câmara

'O que nós esperamos é que tanto o governo quanto os parlamentares estejam dispostos a essa discussão', afirmou o presidente da Casa

Gustavo Uribe, da Agência Estado,

06 de janeiro de 2011 | 14h39

SÃO PAULO - O presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT-RS), sinalizou nesta quinta-feira, 6, que está disposto a discutir a alteração na proposta do governo para o salário mínimo (de R$ 540) caso continue na presidência da Casa, em eleição que ocorrerá no dia 1º de fevereiro. "O governo mandou a proposta do mínimo para o parlamento, só que o governo precisa também entender que ali é também um espaço de diálogo", argumentou. E continuou: "O que nós esperamos é que tanto o governo quanto os parlamentares estejam dispostos a essa discussão. Se teremos ou não alteração, vai depender do debate, das discussões e dos convencimentos. O que posso garantir é que na presidência da Câmara será feito o debate."

 

A afirmação de Marco Maia foi feita após reunião com lideranças do PDT na capital paulista. O encontro acabou frustrando as expectativas dos dois lados, uma vez que apenas 9 dos 28 integrantes da bancada do PDT compareceram. O périplo de Maia a São Paulo - ontem ele já se reuniu com lideranças do PR e na tarde de hoje reúne-se com líderes do PSDB - tem o intuito de evitar que a ameaça de rebelião do PMDB, por conta da distribuição de cargos no segundo escalão do governo Dilma Rousseff (PT), reflita na eleição do dia 1º de fevereiro. O temor é que o PMDB viabilize a candidatura de nomes que possam causar ruídos na relação entre o governo Dilma e o parlamento. Os peemedebistas já sinalizaram, por exemplo, que podem apoiar os nomes de Sandro Mabel (PR-GO) e Aldo Rebello (PCdoB-SP).

 

Após encontro com os pedetistas, Maia afagou mais uma vez o PMDB, destacando que a legenda tem todo o "direito de reivindicar" mais espaço no governo da presidente Dilma Rousseff. Ele espera também que essa discussão não interfira no processo sucessório da Casa. Além de falar de sucessão, o presidente da Câmara frisou também que neste primeiro momento de governo Dilma, a reforma política não deve ser uma prioridade. "Eu acho que temos de romper com essa visão que o País só anda com grandes reformas", argumentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.