Ed Ferreira|Estadão
Ed Ferreira|Estadão

Maia se diz vítima de 'vingança' de Delcídio

Deputado afirma que ex-senador teria feito apelo mal-sucedido para preservar 'protegido' na Petrobrás

Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

05 de dezembro de 2016 | 17h23

BRASÍLIA -  O deputado Marco Maia (PT-RS) usou nesta segunda-feira, 5, sua página no Facebook para rebater as acusações contra ele que geraram a nova fase da Operação Lava Jato, deflagrada nesta manhã. Reclamando que nunca foi ouvido oficialmente para contestar as informações dos delatores, o petista se disse vítima de "vingança" e afirmou que o ex-senador Delcídio Amaral mente ao acusá-lo de cobrar "pedágio" de empreiteiros para protegê-los na CPMI da Petrobrás de 2014. "Este cidadão mente descaradamente", declarou. 

Em uma transmissão ao vivo, Maia negou que tenha sofrido pressão para poupar empreiteiros ou ex-funcionários da estatal, com exceção de Delcídio que, segundo Maia, teria feito apelos para preservar o ex-diretor da Petrobrás Nestor Cerveró. Ele contou que na época disse a Delcídio que não seria possível atendê-lo. "Não vou aceitar que um ex-senador que mente fique dando entrevistas e posando como herói", insistiu.

O petista lembrou que a comissão ocorreu em um período eleitoral e que por isso foi muito "tumultuada", porque havia um ambiente "eivado de vícios" que visavam influenciar o debate político. O deputado disse que fez um relatório técnico e denso, com 53 indiciados e 20 empresas denunciadas por formação de cartel. "Aqueles que nós indiciamos em 2014 hoje são aqueles que me acusam", completou.

Maia negou ter se encontrado com o delator em uma suposta residência no Lago Sul, bairro de Brasília, e observou que a versão é inverídica porque o delator teria dito que a reunião ocorreu na casa de uma irmã do deputado. Maia disse que tem apenas dois irmãos. "Não poderia ter me reunido com esse cidadão", enfatizou.

Na transmissão, Maia lamentou que o Ministério Público Federal tenha entrado "no jogo, na manipulação de delatores mentirosos, que não têm credibilidade". O deputado chamou o ex-senador de "pessoa sem caráter", disse que o ex-petista trouxe seu nome "eivado de mágoas" para as investigações porque ele se recusou a poupar Cerveró, "protegido" de Delcídio. "Não houve proteção a ninguém", emendou.

O deputado finalizou dizendo que seu patrimônio é fruto de seu trabalho de mais de 30 anos, ressaltou que não tem contas no exterior e que sempre se colocou à disposição para prestar esclarecimentos. Ele agradeceu o apoio recebido após a ação da Polícia Federal em sua casa no Rio Grande do Sul, episódio que chamou de "ação desmedida".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.