DIDA SAMPAIO/ESTADAO
DIDA SAMPAIO/ESTADAO

Maia responde Tasso: 'A posição na qual estou, já estou ajudando muito'

Presidente da Câmara foi citado pelo senador tucano como um boa nome para 'transição'; Maia disse que viajou, mesmo com Temer fora do País, porque já havia marcado e não tinha como desmarcar

Luciana Rosa, ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

06 de julho de 2017 | 22h23

BUENOS AIRES - Rodrigo Maia (DEM-RJ) respondeu aos elogios do presidente interino do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE), nesta quinta-feira, 6. Avaliado pelo tucano como alguém que teria condições de trazer estabilidade ao País, Maia respondeu que "já está ajudando muito", como presidente da Câmara.

"O senador Tasso é um homem com muita experiência e qualquer um ficaria feliz de ele avaliar que se tenha condições de ajudar o Brasil e acho que a posição na qual eu estou, já estou ajudando muito", disse Maia a jornalistas na Argentina, para onde viajou nesta quinta, para participar do Fórum de Relações Internacionais e Diplomacia Parlamentar que acontece nesta quinta e sexta-feira.

Questionado se estaria preparado para assumir o posto de presidente, Maia é reticente e diz que "essa é uma análise que eu não acho prudente". 

Sua viagem, marcada, coincidentemente, no mesmo momento em que o presidente Michel Temer se ausenta para participar da reunião do G20 na Alemanha, gerou rumores de que o parlamentar estaria evitando a cadeira presidencial. 

Em conversa com correspondentes na Embaixada do Brasil em Buenos Aires na noite desta quinta-feira, Maia desmentiu especualções, dizendo que "seria um orgulho de sentar na cadeira da presidência em qualquer momento".

O parlamentar explicou ainda que sua participação do Fórum teria sido confirmada antes de que Temer decidisse viajar a Alemanha. "Eu estive com o presidente na semana passada quando ele me informou que não iria ao G20, eu tinha essa viagem agendada e resolvi confirmar minha vinda para Buenos Aires. Mas, aí três dias atrás ele (Michel Temer) resolveu que confirmar a viagem dele e eu já não tinha mais como desmarcar", contou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.