Maia pedirá à Comissão de Ética que investigue Bastos

O líder do PFL na Câmara, Rodrigo Maia (RJ), anunciou que o partido vai pedir à Comissão de Ética da Presidência da República que investigue o ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos. Maia disse já ter certeza de que o ministro violou o código de conduta do servidor público em pelo menos dois momentos do episódio da quebra do sigilo bancário do caseiro Francenildo dos Santos Costa. O primeiro indicativo, segundo o deputado, é o fato de dois assessores de Bastos, Daniel Goldberg e Cláudio Alencar, terem "orientado" o ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci, que buscava uma forma de "destruir o caseiro". A segunda infração, segundo o líder do PFL, é o fato de Bastos ter indicado o advogado criminalista Arnaldo Malheiros e tê-lo apresentado a Palocci. "O ministro Márcio Thomaz Bastos mente quando diz que ´queimou as pontes´ com a iniciativa privada. Ele não queimou, tanto que apresentou o advogado ao ministro Palocci", disse Maia. Segundo o líder, o PFL está elaborando a denúncia à Comissão de Ética. "Cabe à comissão a análise e o pedido de demissão do ministro", disse Rodrigo Maia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.