André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Maia nega pedido da oposição para votar em separado denúncia contra Temer e ministros

Mais cedo, ministro do STF Marco Aurélio Mello havia negado pedido de opositor para fatiar a denúncia

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

24 de outubro de 2017 | 19h01

BRASÍLIA - O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), negou nesta terça-feira, 24, o pedido feito pela oposição para votação separada, no plenário da Casa, da denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o presidente Michel Temer e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência).

+++ Aliados dizem que quem votar contra Temer amanhã será tratado como oposição

O pedido foi feito por parlamentares do PT por meio de questão de ordem apresentada durante a sessão plenária desta terça. Ao embasar sua decisão, o presidente da Câmara lembrou que a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal (STF) é de que a peça acusatória deve ser analisada de uma vez só.

+++ Marco Aurélio rejeita suspender votação unificada de denúncia contra Temer e ministros

Maia ressaltou que o próprio Supremo enviou a denúncia como uma só peça jurídica para o Legislativo. Nesse contexto, afirmou, não cabe à Câmara inovar, sob o risco de ferir a Constituição Federal. O pedido foi a segunda tentativa da oposição para tentar fatiar a votação da denúncia.

+++ Podemos ter até 10 votos a mais do que na primeira denúncia, diz Padilha

Na segunda, o deputado Rubens Pereira Júnior (PC do B-MA), integrante da oposição, entrou com mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo que a votação separada. O ministro do STF Marco Aurélio Mello negou, porém, a suspensão da votação unificada.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.