Maia inicia pré-campanha com viagem à cidade onde o avô nasceu na Paraíba

Pré-candidato à Presidência da República quer se tornar mais conhecido pela população

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

14 Março 2018 | 18h27

* Atualizada no dia 15 de março para correção de informações

Uma semana após lançar sua pré-candidatura à Presidência da República, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), inicia nesta quinta-feira uma agenda de viagens pelo País. Com 1% nas pesquisas de intenção de voto, ele quer percorrer os 26 Estados do País em busca de se tornar mais conhecido pela população. O parlamentar fluminense também já começou a montar a equipe que o auxiliará na pré-campanha.

O primeiro destino de Maia será a Paraíba, onde jantará com empresários e parlamentares na noite de quinta-feira na capital, João Pessoa. Na sexta-feira, irá para Catolé do Rocha, cidade a 450 quilômetros da capital e na qual nasceram o avô paterno dele, Felinto Maia, e o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Herman Benjaminn. Pai de Maia, o vereador do Rio César Maia, porém, não acompanhará o filho na viagem. 

Em Catolé, Maia deve ser recebido pelo prefeito em exercício da cidade, Laurinho Maia (DEM), que é primo do presidenciável. A previsão é de que o parlamentar fluminense se reúna com lideranças locais e almoce com familiares. Na volta, o presidente da Câmara deve fazer uma parada em São Bento, cidade conhecida como a "Terra das Redes" de dormir, onde deve conversar com produtores locais.

Da Paraíba, Maia seguirá para o Rio de Janeiro, onde cumprirá agenda no sábado em Cabo Frio, no interior do Estado. Na segunda-feira, 19, o presidenciável viajará para Belo Horizonte, onde participará da cerimônia de filiação ao DEM e de lançamento da pré-candidatura ao governo de Minas Gerais do deputado federal Rodrigo Pacheco (MG). Pacheco foi um dos mais de seis deputados do MDB que se desfiliaram da sigla.

Banho de povo. A ideia nas viagens é que Maia tenha contato não só com empresários e lideranças políticas, mas com a população. "A prioridade fundamental é que ele possa estar nas ruas do Brasil, conversando com as pessoas, se expondo e ouvir e recolher essas sugestões da população. Rodrigo ainda tem um nível de desconhecimento muito grande e o que pode permitir que ele amplie o seu nível de conhecimento é ter coragem para se expor", diz o presidente do DEM, o prefeito de Salvador, ACM Neto.

Neto afirma que Maia está preparado "para tocar no coração das pessoas". "Diria que a estratégia é ele estar pronto para se expor, para ir para as ruas, mas também estar pronto para dizer o que pretende fazer pelo País, de maneira sincera, que é o estilo dele. Não precisa estar dando risada, não precisa estar sendo o que ele não é. Ele tem que ser o que ele é", afirmou o prefeito da capital da Bahia.

Jatinho.  Na pré-campanha, o presidente da Câmara usará jatinho alugado pelo DEM, de acordo com o partido. Como mostrou o Estadão/Broadcast na segunda-feira, Maia e o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, que também é pré-candidato, usaram jatos da Força Aérea Brasileira (FAB) para compromissos muitas vezes estranhos ao cargo. Maia voou 63 vezes com aeronaves da FAB desde dezembro, sendo 33 delas para o Rio, seu domicílio eleitoral.

Da Câmara, Maia deve dispor apenas dos policiais legislativos. Segundo a Polícia Legislativa, enquanto continuar como presidente da Casa, o parlamentar fluminense terá que viajar acompanhado da segurança, mesmo que para eventos eleitorais. Nas eleições de 2014, o então presidente da Câmara, o hoje ex-deputado preso Henrique Eduardo Alves (MDB), teve direito a segurança de policiais legislativos enquanto fazia campanha ao governo do Rio Grande do Norte.

Rodrigo Maia deve cumprir a primeira agenda de viagens acompanhado de assessores do DEM. Servidores da Câmara que auxiliam o parlamentar fluminense só devem viajar com ele após deixarem os cargos no Legislativo para atuarem na pré-campanha. A definição dos servidores que trabalharão nas eleições deve sair até o início da próxima semana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.