Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Maia evita comentar problemas do PSDB 'porque são todos amigos'

'Qualquer opinião que eu dê acho que é deselegante', disse presidente da Câmara ao ser questionado sobre destituição de Tasso da presidência tucana

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

09 Novembro 2017 | 17h55

BRASÍLIA - O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), evitou comentar a destituição do senador Tasso Jereissati (CE) da presidência interina do PSDB feita pelo senador Aécio Neves (MG). Maia afirmou que não pode comentar o tema, pois todos os envolvidos são amigos dele. 

"Isso é um problema do PSDB. Não dá para comentar porque são todos meus amigos. Como não é um problema do meu partido, não tenho como ajudar nem interferir, qualquer opinião que eu dê acho que é deselegante", declarou Maia ao ser questionado pelo Estado/Broadcast.

+++ Tasso Jereissati amplia apoio no PSDB

Aécio destituiu Tasso da presidência interina do PSDB e o substituiu pelo ex-governador paulista Alberto Goldman. Em carta divulgada pelo senador mineiro, ele afirma que o motivo da substituição é a "desejável isonomia" entre os candidatos ao comando definitivo da sigla, na eleição marcada para 9 dezembro.

+++ Candidatos tucanos disputam votos de 395 correligionários 

O senador cearense oficializou ontem sua candidatura à presidência nacional do PSDB. Ele deve ter como adversário na disputa o governador de Goiás, Marconi Perillo, que tem apoio do grupo ligado a Aécio. 

+++ Análise: PSDB resolve cometer suicídio coletivo em praça pública

REPERCUSSÃO 

O fato repercutiu no plenário da Câmara entre os tucanos. Integrante da ala oposicionista do PSDB, o deputado Daniel Coelho (PE) acusou Goldman de ter combinado com Aécio, os ministros tucanos e o presidente Michel Temer a destituição de Tasso. Para Coelho, o ato foi um "golpe rasteiro".

Aliado de Aécio, o deputado Marcus Pestana (PSDB-MG) defendeu a destituição. Ele afirmou que o partido vive uma "autofagia" em público e que Tasso foi presidente apenas de uma facção na legenda. /COLABOROU FELIPE FRAZÃO 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.