Maia espera que STF não acate mandado contra DRU

O presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), afirmou manter a expectativa de que o ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal, não acate o mandado de segurança dos partidos de oposição, DEM, PSDB e PPS, contra a votação em rito sumário na Câmara da proposta que prorroga a Desvinculação de Receitas da União (DRU) - o mecanismo que permite à presidente Dilma Rousseff reservar 20% dos recursos orçamentários para gastar em áreas sem destinação obrigatória.

DENISE MADUEÑO E EUGÊNIA LOPES, Agência Estado

09 de novembro de 2011 | 19h06

"O ministro Marco Aurélio sempre foi equilibrado, muito conectado com aquilo que acontece no País, com as grandes questões e com os grandes temas nacionais. Qualquer decisão que ele tomar não vai ser deslocada da realidade do País e da importância do impacto dessa decisão para as contas públicas do Brasil no próximo ano", afirmou Marco Maia, após se reunir com a ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti. A ministra está na Câmara acompanhando a votação da DRU. Ela se reuniu também com deputados da Comissão de Orçamento.

Os partidos de oposição recorreram ao Supremo contra a decisão de Marco Maia e dos partidos governistas de cortar prazos na votação da proposta de prorrogação da DRU para atender à necessidade do governo de ter o projeto aprovado ainda hoje na Casa.

Tudo o que sabemos sobre:
STFMaiaDRU

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.