Marcos Correa/Presidencia da Republica
Marcos Correa/Presidencia da Republica

Maia diz que manifestações são legítimas e mostram que democracia está viva

Após café da manhã com outros Poderes e pedido de 'pacto', o presidente da Câmara afirmou que só assinará o texto se a maioria dos líderes da Casa aprovarem

Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

28 de maio de 2019 | 12h07

BRASÍLIA - O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), avaliou nesta terça-feira, 28, que as manifestações do último domingo em apoio ao governo Bolsonaro, e as ocorridas no dia 15, pela Educação, são legítimas e mostram que a democracia brasileira está viva. Ele admitiu, no entanto, que ambos os movimentos passam mensagens que devem ser entendidas pela classe política. 

O presidente da Câmara foi um dos principais alvos das críticas de manifestantes ao redor do Brasil no domingo. No Rio, chegaram a fazer a um 'pixuleco' com a imagem do deputado e em outras cidades havia faixas com comentários negativos a ele e ao Centrão. 

Mais cedo, Maia participou de café da manhã no Palácio da Alvorada com os presidentes da República, Jair Bolsonaro, do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, para tratar de um pacto entre os três Poderes. Ao deixar há pouco o Ministério da Economia, Maia negou que esse pacto seja um desdobramento das manifestações recentes nas ruas. "O presidente Toffoli propôs o pacto entre os poderes há dois meses. Não foi após as manifestações", esclareceu.

Questionado se assinará o pacto proposto por Toffoli, Maia respondeu que levará o texto aos líderes da Câmara e só com o aval da maioria deles assinará o documento em nome da Casa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.