Najara Araujo/Câmara dos Deputados - 25/2/2019
Najara Araujo/Câmara dos Deputados - 25/2/2019

Maia diz que Guedes tenta intervir na escolha de relator da Previdência

Presidente da Câmara tem tido embates com o governo Bolsonaro, chamado por ele de 'deserto de ideias'

Nayara Figueiredo, O Estado de S.Paulo

23 de março de 2019 | 17h19

Em mais um capítulo da queda de braço entre Congresso e Executivo, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), não poupou nem o ministro da Economia, Paulo Guedes, a quem ele havia chamado, em entrevista publicada neste sábado pelo Estado, de "uma ilha entre seus pares". Após almoço com o governador de São Paulo, João Doria, na residência do tucano, Maia disse em coletiva de imprensa que Guedes tenta intervir na escolha do relator da reforma da Previdência. "A atuação de Guedes mostra que a reforma não é tão independente (do Planalto)."

O ataque a Guedes tinha outro alvo: o presidente da República, Jair Bolsonaro. Ao mesmo tempo em que Maia dava a coletiva na capital paulistana, o capitão da reserva falava com a imprensa no Chile, antes de embarcar para o Brasil, depois de sua viagem oficial àquele país. E os ataques foram mútuos. No Chile, Bolsonaro disse não entender por que o presidente da Câmara estava tão agressivo com ele.

Rodrigo Maia não quis comentar as críticas que Bolsonaro fez na coletiva de imprensa que concedeu no Chile. Contudo, disse crer em "uma distorção na fala do presidente", quando ele se referiu ao seu suposto "tom agressivo".

"Não uso redes sociais para agredir ninguém, uso para informar os eleitores. Farei sempre a defesa do respeito institucional, como líder da Câmara dos Deputados", enfatizou.

Também neste sábado, Bolsonaro havia declarado que ainda há atritos na Câmara porque alguns deputados ainda estão apegados ao que chama de velha política. Parlamentar veterano, Maia afirmou, por sua vez, que quer construir a "nova política", pois foi reeleito e possui mais um mandato na Casa.

Questionado quanto a quem pertence a responsabilidade de articulação pela reforma da Previdência, Maia afirmou que o parlamento vai permanecer como um ponto de diálogo e a reforma será debatida democraticamente. "É assim que a democracia funciona", acrescentou.Após a agenda da Previdência, Maia diz que seu foco será a reforma tributária.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.