MARYANNA OLIVEIRA/AGÊNCIA CÂMARA
MARYANNA OLIVEIRA/AGÊNCIA CÂMARA

Maia define que eleição na Câmara será presencial e envolverá 3 mil pessoas

Após a polêmica criada com a possibilidade de uma votação virtual, presidente da Câmara afirmou que votação será inteiramente presencial

Anne Warth e Camila Turtelli, O Estado de S.Paulo

18 de janeiro de 2021 | 13h47

BRASÍLIA - Após a polêmica criada com a possibilidade de uma votação virtual para definir a nova presidência da Câmara, o atual presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta segunda-feira, 18, que a escolha será feita apenas de forma presencial, no dia 1.º de fevereiro. A decisão foi tomada pela Mesa Diretora - formada por sete integrantes - com voto contrário de Maia.

De acordo com o atual presidente da Câmara, a eleição poderá envolver a circulação de até 3 mil pessoas em único dia no Congresso. "Temos de mobilizar mais de 2 mil funcionários, tem a imprensa, de alguma forma é uma circulação mínima de 3 mil pessoas no dia", disse. No Senado, que fica ao lado, haverá eleição na mesma data.

Maia estudava a possibilidade de voto virtual ao menos para os deputados do grupo de risco, mas o bloco do candidato Arthur Lira (PP-AL), líder do Centrão, era contra. O Progressistas já havia questionado oficialmente a Câmara, e levantou suspeitas sobre integridade da votação citando até mesmo a possibilidade de ataques hackers. 

Para resolver o imbróglio, a Mesa Diretora da Câmara foi convocada para deliberar e definir o formato da eleição. "Se decidiu por maioria, contra meu voto, não haver flexibilidade na votação presencial", disse Maia. Ele era a favor da flexibilização para os idosos e para parlamentares com comorbidades. O placar, no entanto, foi 4 a 3.

De acordo com Maia, em razão dessa decisão, 513 deputados e um total de ao menos 3 mil pessoas terão que comparecer à Câmara no dia da votação.

Ao anunciar o formato definido para a eleição, Maia lembrou da posse do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, em que vários convidados, incluindo ele próprio, se contaminaram com covid-19. “Vamos trazer parlamentares de 27 Estados em um momento de crescimento da pandemia”, disse, destacando que a nova variante do vírus é mais contagiosa e letal. 

Voto impresso

"Eu achei que uma parte lá (Mesa), ia pedir voto impresso, contaminada pelo governo", ironizou Maia, em referência à defesa do presidente Jair Bolsonaro pela mudança no modelo adotado pelo País em votações gerais. Na Câmara, o voto é feito também de forma eletrônica, por meio de computadores instalados no plenário da Casa.

"Parece que vem manifestantes defender candidato do governo e voto impresso já. Você vê que risco nós estamos correndo para 2022, mas tenho certeza que o ministro [do STF, responsável pelas eleições de 2022] Alexandre de Moraes será um presidente durante processo de 2022, com bastante comando sobre o processo eleitoral".  

Como o Estadão/Broadcast mostrou na semana passada, grupos de apoiadores de Bolsonaro organizam caravanas em direção a Brasília para pressionar pela eleição de Lira na presidência da Câmara. Na visão deles, o líder do Centrão é o único nome na disputa que pode levar adiante a adoção do voto impresso para as eleições presidenciais de 2022. 

O novo modelo de votação é bandeira de Bolsonaro, que tem colocado em xeque a lisura do sistema eleitoral brasileiro, mas sem apresentar provas.

Na reunião de hoje, a Mesa Diretora adiou a discussão sobre a validade das assinaturas de deputados suspensos do PSL, o que pode tirar o partido do bloco de Baleia Rossi (MDB-SP) e colocar no de Lira. A sigla é a segunda maior bancada da Casa, com 52 parlamentares. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.