Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Maia admite que instalação da CCJ deve ocorrer após o carnaval

Presidente da Câmara diz que organização da base do governo 'ainda está lenta'; PSL ainda não definiu nome para presidir comissão

Camila Turtelli, O Estado de S.Paulo

25 de fevereiro de 2019 | 16h25

BRASÍLIA - O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), admitiu que a instalação da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) deve acontecer apenas depois do carnaval. O colegiado é a porta de entrada da maioria dos projetos que passa pelo Congresso, inclusive a proposta de reforma da Previdência. É nesta instância que os deputados avaliam se o projeto é constitucional ou não. 

Havia uma perspectiva de que a CCJ fosse instalada nesta terça-feira (26). No entanto, Maia disse que ainda precisa conversar com o PT para fechar o desenho das comissões permanentes da Casa. A CCJ será presidida pelo PSL e o partido ainda discute quem será o presidente indicado. 

Maia negou que irá aguardar o envio do projeto de lei que definirá as regras para a aposentadoria dos militares para que seja a instalada a CCJ, mas admitiu que há apreensão, por parte do parlamento, para o envio da proposta. "Avisei Onyx Lorenzoni, ministro da Casa Civil que havia incômodo em relação ao PL dos militares. Falei que governo tinha minha palavra de que o PL dos militares será votado logo após a votação da emenda constitucional da Previdência", disse Maia a jornalistas ao chegar na Câmara, nesta tarde, para a reunião de líderes. 

Maia disse que não acredita que instalar a CCJ após o carnaval atrase a tramitação da Previdência. "Será só mais uma sessão", disse. Ele afirmou também que isso pode dar mais tempo ao governo organizar sua base. "Organização do governo ainda está lenta", disse. Há uma série de críticas entre parlamentares sobre a falta de diálogo entre o governo de Jair Bolsonaro e a Casa. "Não dá pra votar (admissibilidade) de qualquer jeito, porque hoje há o risco de ter um resultado não favorável para a emenda constitucional", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.