Magoado, Vaccarezza deixa liderança do governo

Ex-líder do governo anteviu que sua troca poderá ocasionar 'algum estremecimento' na base aliada diante de votações importantes

Eugênia Lopes, de O Estado de S.Paulo

13 de março de 2012 | 13h23

Ao mesmo tempo em que a presidente Dilma Rousseff discursava no Senado em homenagem ao Dia da Mulher, o deputado Cândido Vacarezza (PT-SP) formalizava sua saída da liderança do governo. Numa entrevista coletiva e sem esconder a mágoa com o Palácio do Planalto, Vacarezza contou que teve uma conversa com a presidente Dilma Roussef nesta segunda-feira, 12, no início da noite e na manhã desta terça-feira, 13. Na ocasião, a presidente explicou que quer fazer rodízio nas lideranças do governo na Câmara e no Senado.

 

Vacarezza disse não saber quem será seu substituto. Mas anteviu que sua troca poderá ocasionar "algum estremecimento" na base aliada diante de votações importantes, como o Código Florestal, a Lei da Copa e os royalties do petróleo. "Acho que pode ter algum estremecimento hoje,amanhã, porque os líderes têm uma relação forte comigo", afirmou o ex-líder, ao lembrar que tem bom trânsito e amizade com todos os líderes aliados e de oposição.

 

Dizendo que encarou com "naturalidade" sua saída da liderança do governo, Vacarezza confessou ter sido pego de surpresa na segunda diante das informações da imprensa de que a presidente Dilma iria substituí-lo. Mas disse saber que iria deixar a liderança, quando Giles Azevedo, chefe de gabinete de Dilma, telefonou para convidá-lo a ir ao Planalto no final da tarde de segunda. Vacarezza reclamou ainda do vazamento da informação para a imprensa, antes dele ser avisado. "Não acho que essa foi uma boa conduta das pessoas que sabiam", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.