Magoado, Netinho de Paula ficará de fora da campanha de Haddad

Cantor creditou sua baixa votação para Câmara ao descumprimento da promessa do PT de valorizar sua candidatura; ex-vereador abriu mão de disputar a prefeitura para apoiar petista

Diego Zanchetta - O Estado de S. Paulo,

11 de outubro de 2012 | 14h32

Magoado com a falta de apoio do PT para sua campanha a vereador, o cantor Netinho de Paula (PCdoB) não vai sair às ruas para pedir votos ao candidato Fernando Haddad (PT) no segundo turno das eleições municipais. Netinho creditou sua baixa votação (foi 11º colocado com 50.698 votos) ao descumprimento do acordo feito com os petistas em julho, quando foi definida a coligação com os comunistas. Segundo a assessoria do parlamentar, "não foi cumprido o acordo para valorizar a candidatura de Netinho durante a campanha do primeiro turno".

A equipe do comunista afirma ter enfrentado sérias dificuldades pelo fato de o PT ter investido somente na candidatura do ex-ministro dos Esportes Orlando Silva (PCdoB), que acabou não conseguindo uma vaga entre os 55 eleitos. Para os apoiadores do cantor, ele tinha potencial para ter mais de 100 mil votos não fosse a falta de estrutura e de apoio financeiro. No início da campanha, porém, em julho, Netinho foi a saída que o núcleo político de Haddad encontrou para apresentar o candidato em bairros da periferia, já que a senadora Marta Suplicy (PT) se recusava a participar da campanha à época - preterida da disputa pela Prefeitura, ela só entrou na campanha em setembro, após ser nomeada para o Ministério da Cultura.

Foi Netinho de Paula que esteve ao lado de Haddad em sua primeira agenda no bairro de São Miguel Paulista, no extremo leste, no dia 11 de julho, por exemplo. Na caminhada feita pelo bairro, as pessoas nem sabiam ainda o nome de Haddad, que era apresentado pelo cantor. Netinho, que teve 7 milhões de votos como candidato ao Senado em 2010, também esteve em todas as primeiras agendas do petista em bairros fora do centro expandido. No início do horário eleitoral da TV, em agosto, o pagodeiro apareceu duas vezes ao lado de Haddad tocando violão.

Mas, com a orientação do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva para que fosse dada prioridade para Orlando Silva e a entrada de Marta na campanha, o PT colocou Netinho no escanteio da campanha, segundo sua equipe. Agora o comunista não acertou nenhuma participação na campanha de Haddad, apesar de o candidato petista ter participado de plenário no diretório do PCdoB, na terça-feira à noite, para pedir apoio dos candidatos a vereador pelo partido.

Em junho Netinho também abriu mão de sua candidatura à Prefeitura para apoiar Haddad. Na época, a promessa dos petistas ao cantor era investir em sua campanha para parlamentar, para que ele fosse um "puxador de votos" da coligação, o que acabou não ocorrendo.

Encontro. Os rumores de que Netinho abandonaria a coligação dos petistas também aumentaram após ele se encontrar com José Serra (PSDB) e seus correligionários em uma pizzaria na Bela Vista, no domingo, na comemoração pela vitória do tucano no primeiro turno. Netinho cumprimentou o ex-governador e chegou a ser alvo de brincadeiras dos tucanos pela sua camiseta azul, uma das cores do PSDB. A assessoria de imprensa do vereador disse que o encontro na pizzaria foi "mera coincidência".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.