Magno não vai recorrer contra pedido de sua cassação

O deputado João Magno (PT-MG) disse que não vai recorrer à Comissão de Constituição e Justiça, contra a aprovação, pelo Conselho de Ética, do pedido de cassação do seu mandato. O deputado disse ter esperança na sua absolvição pelo plenário da Câmara, última etapa do julgamento."Acredito no bom senso do plenário", disse. Ele voltou a afirmar, em entrevista, que ficou claro que o deputado Jairo Carneiro (PFL-BA) usou "dois pesos e duas medidas" para defender a absolvição do deputado Roberto Brant (PFL-MG) e para pedir a cassação do seu mandato, como relator do processo.Magno disse que o descuido que cometeu em todo esse processo foi o de não ter exigido "com mais veemência" do PT o documento que comprovava a origem dos recursos que ele usou na campanha. João Magno foi acusado pela CPI dos Correios de ter sido beneficiado pelo esquema do mensalão. O deputado admitiu, desde o primeiro momento, ter recebido R$ 425.915,00 da SMPB, do empresário Marcos Valério Fernandes de Souza,para pagamento de despesas de campanha política em 2002 e 2004. Na época, o deputado não contabilizou esses recursos na sua prestação de contas à Justiça Eleitoral.Mais tarde, depois do escândalo, João Magno apresentou os recibos e fez uma prestação adicional de contas ao Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.