Maggi prepara ofensiva contra Minc sobre dados do Inpe

Mais cedo, novo ministro disse que desmatamento volta a subir, principalmente na região do MT

NELSON FRANCISCO, ESPECIAL PARA AE, Agencia Estado

21 de maio de 2008 | 18h08

O governador de Mato Grosso, Blairo Maggi(PR), prepara uma ofensiva contra o futuro ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, caso sejam confirmados os novos números sobre o desflorestamento na Amazônia pelo sistema Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), de São José dos Campos, no Vale do Paraíba (SP). Nesta quarta-feira,  Minc adiantou, sem citar números, que as estatísticas sobre desmatamento que serão divulgadas na segunda-feira mostrarão que o índice no Estado cresceu mais de 60% nos primeiros cinco meses deste ano em relação ao mesmo período de 2007.   Veja também: Minc não consegue liberação de R$ 1 bi do setor ambiental Minc se queixa de recursos e quer liberação de dinheiro Minc deve propor mudanças nos licenciamentos ambientais Minc defende Forças Armadas em parques e reservas da Amazônia Especial: Amazônia - Grandes reportagens  Mas um documento da Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema) apontará que as novas devastações caíram 80% no primeiro bimestre de 2008 em comparação com o mesmo período de 2007. Em janeiro, o relatório do Deter, que apontou o Estado como campeão de desmatamento entre agosto e dezembro, foi contestado por Maggi. Nesta quarta, no entanto, ele preferiu não se manifestar sobre as declarações de Minc. Maggi informou que aguardará a publicação do relatório do Inpe.No Estado, em janeiro e fevereiro, o Inpe apontou 65 pontos desmatados recentemente. O relatório da Sema diz que são apenas 17 - oito ocorreram em assentamentos do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), que deveria ser fiscalizado pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Tudo o que sabemos sobre:
Blairo MaggiCarlos MincMeio Ambiente

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.