Máfia teria negociado vaga de secretário da Saúde

A Polícia Civil de São Paulo, que desbaratou ontem na Operação Parasitas uma quadrilha especializada em fraudar licitações em hospitais públicos, diz ter flagrado a máfia negociando o cargo de secretário de Saúde de uma cidade do interior. O nome do município não foi revelado, mas a "compra do cargo" - a ser ocupado a partir de 2009, com a posse do prefeito eleito - teria sido feita em troca de uma contribuição de R$ 200 mil para a campanha do candidato nas últimas eleições municipais.A organização criminosa, segundo o Departamento de Polícia Judiciária da Capital (Decap) e promotores do Grupo de Atuação Especial e Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), mantinha um controle da política nos 29 municípios com os quais fazia negócios. Em interceptações telefônicas, os policiais constataram que 22 candidatos que o grupo considerava simpáticos a seus interesses venceram as últimas eleições.Relatório da inteligência policial mostra que os investigadores flagraram o que chamam de "disponibilidade em oferecer favores e gentilezas para os representantes do Executivo e do Legislativo". Segundo o relatório, no entanto, as escutas mostram candidatos a prefeito "solicitando apoio financeiro para as campanhas" e até mesmo o uso de helicóptero para os deslocamentos de políticos, tanto a trabalho quanto a lazer. "Não há um partido específico. Há empresas que procuram administrações municipais sem escolher coloração partidária", disse o promotor José Reinaldo Guimarães.PartidosOs investigadores não têm dúvidas: o esquema era suprapartidário. O Estado teve acesso aos nomes de 15 das 29 prefeituras em que a organização atuaria, de acordo com os policiais do Decap e promotores do Gaeco. O cenário das fraudes mostra envolvimento do grupo com prefeituras comandadas por PMDB, PSDB, PV, PDT, PT, PP, DEM, PTB e PSB.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.