Mãe adotiva de Pedrinho é suspeita do seqüestro

O delegado-chefe da Delegacia de Homicídios, Luiz JuliãoRibeiro, citou nesta terça-feira entre as providências para descobrir quem seqüestrou Pedrinho da maternidade 13 horas após seu nascimento, há 16 anos, duas medidas que reforçam as suspeitas contra a mãe adotiva do menino, Vilma Martins Costa. Uma delas é requerer ao Instituto de Identificação de Goiás fotos do prontuário civil de Vilma para comparar suas feições mais jovens com o retrato falado da seqüestradora. A outra é checar com os funcionários antigos da maternidade do Hospital SantaLúcia se eles identificam a mãe adotiva como a pessoa que levou o bebê, fazendo-se passar por uma assistente social. Desde o início da semana, peritos do Instituto de Identificação estão ?envelhecendo? o retrato falado da seqüestradora para facilitar a comparação. Mas mesmo sem esse recurso, chama a atenção a semelhança entre a foto e a mãe adotiva. Segundo o delegado, Vilma Martins passou a ser a principal suspeita, desde que o resultado do exame DNA confirmou que o filho registrado por seu marido com o nome de Osvaldo Martins Borges Júnior era mesmo Pedrinho. ?Essa suspeita só deixará de existir se surgir um fato novo?, afirma Julião. Ele informa que a lei determina a anulação do registro de nascimento feitos pelos pais adotivos do menino porque se originou de um ?ato falso, viciado?. ?Se ele requerer o uso do nome, pode até conseguir do juíz, mas o registro de seu nascimento será anulado?, prevê, lembrando que Pedrinho já disse que deseja continuar utilizando o nome de Osvaldo.Os policiais encarregados desse inquérito são cautelosos nasinformações. Até para não dificultar o relacionamento do adolescente Pedrinho com seus pais biológicos. Mas tudo indica que o desfecho do caso está próximo. De acordo com a gerente do Centro de Atendimento SOS Criança, Ivanda Martins ? intermediária de dados que levaram a polícia civil a localizar Pedrinho em Goiânia com o nome de Osvaldo ? a informante deve identificar a seqüestradora na entrevista que dará em breve. Alegando ?motivos éticos?, Ivanda se reserva o direito de não prestar maiores informações sobre a moça. Limita-se a dizer que se trata de uma jovem, cujo pai está apreensivo com a idéia dela se expor nesse caso. Foi ela quem procurou a gerente do SOS para contar o que sabia. A polícia suspeita que a jovem, que teria 19 anos, é parente de Vilma Costa. Fundado no mesmo ano de criação do Estatuto da Criança e do Adolescente, em 1990, o centro de atendimento, ligado à Secretaria de Ação Social do Distrito Federal, procura crianças desaparecidas e atua em casos de violência doméstica. Há três anos, firmou parceria com a Missing Kids, uma rede internacional de buscas de crianças desaparecidas, com sede em Washington, Estados Unidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.