Madeira tenta votar duas medidas para destrancar pauta

O líder do Governo na Câmara, Arnaldo Madeira (PSDB-SP), está conversando por telefone com os líderes partidários para garantir a votação de duas medidas provisórias que estão trancando a pauta da Casa. De acordo com Madeira, a Medida Provisória nº 37, que cria cargos comissionados em vários órgãos do Governo, deverá ser aprovada. Mas há dúvidas sobre a possibilidade de conseguir a aprovação da Medida Provisória nº 38, que trata do parcelamento de débitos tributários, pois há setores na Câmara que discordam de alguns pontos da MP. "Pelo Governo se vota tudo", disse Madeira. Mas o líder admitiu a dificuldade de negociar com os líderes pela falta de quórum na Casa, por ser véspera das eleições. "Na maioria dos Parlamentos dos demais Países, os parlamentares não têm atividade um ou dois meses antes das eleições", lembrou.O presidente da Câmara, Aécio Neves (PSDB-MG), disse que irá se empenhar para votar as medidas provisórias que bloqueiam a pauta e, em seguida, debater o projeto de lei que determina o fim da cumulatividade do PIS -Pasep. Na opinião de Aécio, esse projeto inicia o processo de reforma tributária no País. O tucano negou que exista intenção do atual governo de enviar ao Congresso medidas que poderiam ser definidas como uma minirreforma. Ele destacou que seu objetivo é aprovar as medidas provisórias, o fim da cumulatividade e alguns projetos referentes à segurança púlbica. Aécio reiterou que depois das eleições pretende se reunir com o presidente eleito para "construir um caminho de transição". "Durante um mês, pelo menos, o novo presidente terá que conviver com o atual Congresso", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.