Lyra aceita conversar com corregedor sobre uso de 'laranjas'

Usineiro, que afirma ter mantido com Renan rádios em nome de terceiros; irá se encontrar com Tuma na quinta

Rosa Costa, do Estadão,

14 de agosto de 2007 | 12h25

O corregedor do Senado, senador Romeu Tuma (DEM-SP), informou, nesta terça-feira, 14, que acaba de acertar com o usineiro e ex-deputado João Lyra (PTB-AL) uma conversa sobre as empresas de comunicação - duas emissoras de rádio e um jornal - que o ex-parlamentar afirma ter mantido com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB), em nome de "laranjas". Segundo o corregedor, o encontro será, em princípio, às 16 horas da próxima quinta-feira, 16.  Veja tambem:Denúncias contra Renan abrem três frentes de investigaçãoCronologia do caso Renan  Veja especial sobre o caso Renan   Veja os 30 quesitos da perícia da PF     Tuma disse que, na conversa que teve por telefone com João Lyra, se dispôs a ir a Alagoas para ouvi-lo. O senador antecipou que o encontro poderá ser na Assembléia Legislativa do Estado, em Maceió, ou na Superintendência da Polícia Federal em Alagoas, também na capital, ou em qualquer outro local público, e que caberá a Lyra decidir se o encontro será fechado ou aberto. O corregedor disse que sua intenção é a de fazer um investigação preliminar sobre a afirmação de Lyra de que foi "a pedido de Calheiros" que registrou as emissoras e o jornal em nome de falsos proprietários. "Será uma investigação preliminar. Ele (Lyra) disse que está disposto a colaborar, porque sabe da necessidade de apuração de todo esse episódio." Segundo Tuma, mesmo que Lyra não tenha documentos, poderá apresentar "indícios" que orientem a investigação. "Se não tiver documentos, fica ruim para ele. Mas toda investigação tem indícios, e nisso ele pode colaborar muito", disse o senador. Em relação à abertura de um processo para investigar a denúncia contra o senador Gim Argello (PTB-DF), acusado de desvio de recursos do estatal Banco de Brasília (BRB), o corregedor disse que está tendo dificuldades no exame de alguns documentos recebidos do Ministério Público do Distrito Federal. Tuma disse que, por não ter participado da investigação da Operação Aquarela, em que a Polícia Civil levantou a denúncia contra Argello, vai pedir orientação dos promotores encarregados do caso.  Anatel O presidente da Comissão de Comunicação, Ciência e Tecnologia, senador Wellington Salgado (PMDB-MG), informou que irá na tarde desta terça-feira, 14, à sede da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) para conversar sobre a denúncia de que emissoras de rádio concedidas à família de Renan Calheiros teriam sido registradas em nome de terceiros. Salgado disse que, na quarta, na comissão, colocará em votação requerimento de sua autoria convidando a participarem de audiência pública no Senado integrantes do Grupo Abril, dirigentes da Anatel e representantes do Ministério das Comunicações para falarem sobre a venda da TVA, do Grupo Abril, à empresa espanhola Telefônica. Renan - que, segundo a revista Veja, do Grupo Abril, teria aceito dinheiro de um lobista de uma empreiteira para pagamento de despesas pessoais - tem afirmado que há sérias irregularidades na operação de venda da TVA, um negócio de mais de R$ 900 milhões.

Tudo o que sabemos sobre:
Renan CalheiorsJoão Lyra

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.