Bruno Kelly/Reuters
Bruno Kelly/Reuters
Imagem João Gabriel de Lima
Colunista
João Gabriel de Lima
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Luzes, câmera – e ação pela Amazônia

Mundo quer poucas coisas do Brasil. A mais importante talvez seja o fim do desmatamento

João Gabriel de Lima, O Estado de S.Paulo

29 de janeiro de 2022 | 03h00

O festival de Sundance, principal mostra do cinema independente americano, exibiu nesta semana o documentário The Territory. O filme narra a saga dos índios jupaús para expulsar invasores de suas terras. A produção é do nova-iorquino Darren Aronofsky, que se consagrou ao dirigir filmes como Cisne Negro e Réquiem Para Um Sonho. Uma das personagens do documentário é Neide Suruí, mãe de Txai Suruí, a brasileira que discursou na abertura da COP de Glasgow.

Em 15 de fevereiro, a nova exposição do fotógrafo Sebastião Salgado chega a São Paulo, depois de passar por Londres, Roma e Paris. Impressionam os registros de populações indígenas, com retratos belíssimos. A exposição vai muito além da fotografia. É praticamente um espetáculo multimídia, que incorpora a música de Villa-Lobos e Philip Glass e depoimentos de líderes de nações como os ianomâmis.

 

Londres, Roma, Paris, Glasgow, São Paulo – e Park City, no Utah, cidade que abriga Sundance. Darren Aronofsky, Philip Glass, Sebastião Salgado. O mundo quer poucas coisas do Brasil. Talvez a mais importante delas – nossa obrigação – seja o fim do desmatamento na Amazônia. Sem a floresta, será impossível cumprir as metas climáticas que permitirão a continuidade da vida no planeta.

Para além da arte, há também ação internacional, em geral conjugada com movimentos brasileiros. Um exemplo recente envolve os próprios jupaús retratados em The Territory. Uma ação conjunta entre o WWF, uma das principais organizações ambientalistas do mundo, fundada na Inglaterra, e a ONG brasileira Kanindé, dirigida por Neide Suruí, está trazendo tecnologia às populações indígenas.

“Os estudos mostram que os pontos da floresta onde há menor devastação – 1,6% – são aqueles ocupados por povos indígenas”, diz Neide Suruí, entrevistada no minipodcast da semana. O WWF e a Kanindé treinaram os jupaús no uso de drones, aparelhos de GPS e equipamentos fotográficos. O objetivo é que, com a ajuda da tecnologia, os jupaús identifiquem os que praticam crimes ambientais, documentem as infrações e os levem à Justiça. O treinamento incluiu aulas sobre a questão legal, e a ideia é que se alastre por várias nações indígenas.

A exposição internacional e multimídia de Sebastião Salgado, o filme de Sundance e a aliança entre os povos indígenas e o WWF mostram que a Amazônia é, cada vez mais, uma causa internacional. É bom que assim seja. Há quem chame o fenômeno, pejorativamente, de “globalismo”. Dados a magnitude da ameaça climática e os números trágicos do desmatamento nos últimos anos, a palavra correta seria outra: “emergência”.

Para saber mais:

Mini-podcast com Neide Suruí

Resenha do filme “The Territory” no Estadão

 

ESCRITOR, PROFESSOR DA FAAP E DOUTORANDO EM CIÊNCIA POLÍTICA NA UNIVERSIDADE DE LISBOA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.