Luz Para Todos alcança 6,3 milhões de pessoas até agosto

Governo ultrapassou metade do previsto para o programa , que previa beneficiar 10 milhões de pessoas 2008

ALAOR BARBOSA, Agencia Estado

16 de agosto de 2007 | 18h49

O Programa Luz Para Todos, do governo federal, já assinou contratos para beneficiar 6,3 milhões de pessoas com desembolsos previstos no valor de R$ 7,9 bilhões, segundo dados do Ministério de Minas e Energia (MME) atualizados até meados deste mês. Com isso, o governo ultrapassou a metade do previsto para o programa como um todo, que previa contratos no valor de R$ 12,7 bilhões, beneficiando 10 milhões de pessoas até o final de 2008. Criado em 2003, o programa prevê levar energia elétrica a quem não tem acesso ao serviço, especialmente aos moradores da área rural.Pelos dados do MME, só este ano foram atendidas 228.993 famílias, o que corresponde a cerca de 1,14 milhão de pessoas. O governo trabalha com a média de cinco moradores em cada residência ligada ao sistema elétrico. No ano passado, o programa beneficiou 590.013 famílias (2,95 milhões de pessoas), com aumento de 56% em relação ao observado em 2005, quando somou 378.568 famílias. Em 2004, o programa beneficiou apenas 70 mil famílias no País todo.VelocidadeNa avaliação de técnicos do setor, o programa está conseguindo "velocidade de cruzeiro", basicamente pelo tipo de financiamento montado para viabilizar os investimentos. As ligações são fortemente subsidiadas, já que cerca de 75% dos recursos são aplicados a fundo perdido, dos quais 71,5% são do governo federal, 13,7% dos governos estaduais e 14,7% das distribuidoras de energia elétrica regionais, que repassarão esses custos para os seus consumidores. Ou seja, para uma ligação que custa cerca de R$ 1.270, o beneficiado paga R$ 318.Os recursos do governo federal, por sua vez, são supridos basicamente por fundos setoriais, especialmente a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) e a Reserva Global de Reversão (RGR). Esses dois fundos são alimentados com recursos cobrados mensalmente nas contas de energia elétrica de todos os consumidores. As duas contas são administradas pela Eletrobrás, holding estatal de energia elétrica, através de suas unidades operacionais regionais. Pelos dados do ministério, das 6,337 milhões de pessoas beneficiadas, 47,7% estão localizadas no Nordeste, 22,8% no Sudeste, 14,1% no Norte e 8,2% na região Sul.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.