Lupi silencia sobre denúncias e deixa entrevista

Na divulgação de dados sobre o emprego, ministro do Trabalho evita perguntas sobre uso de avião particular

Eduardo Bresciani, do estadão.com.br

18 de novembro de 2011 | 12h19

BRASÍLIA - O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, se negou a comentar nesta sexta-feira, 18, as denúncias sobre o uso de avião providenciado por um líder de ONG que mantém contratos com a pasta. Depois de falar por cerca de 20 minutos sobre os números do emprego no País, divulgados mais cedo pelo ministério, Lupi fugiu de perguntas sobre a crise política. "Não vou falar sobre crise (política), eu tenho que trabalhar. Hoje só falo sobre Caged", disse.

A única resposta sobre questionamentos relativos à situação política foi em relação à promessa feita por ele de enviar ao Congresso a prestação de contas da ONG Pró-Cerrado. Durante audiência, nessa quinta-feira, 17, no Senado, a senadora Kátia Abreu (PSD-TO) afirmou que o voo feito pelo ministro com o diretor da ONG está na prestação de contas da entidade. Diferente do que havia dito nessa quinta, de que enviaria o documento imediatamente, Lupi afirmou que precisará "respeitar formalidades". Por isso, só vai encaminhar o material na segunda-feira, 21, ou na terça-feira, 22.

Questionado sobre a demora em responder a um pedido de informações de Kátia Abreu sobre o tema, o ministro desafiou a senadora a apresentar o protocolo do ofício. Segundo ela, esse documento foi protocolado em setembro. "Gostaria que ela apresentasse o protocolo", rebateu Lupi.

O ministro deixou a sala da entrevista sob diversos questionamentos a respeito da crise, sem responder a nenhum. Repetia apenas "Caged, Caged, Caged" ao deixar a sala da entrevista, escoltado por assessores.

Tudo o que sabemos sobre:
Carlos LupiPDTdenúnciasentrevista

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.